Loriga - Serra da Estrela - Portugal

Mais de 2600 anos de existência, vila desde o século XII e capital da neve em Portugal

Loriga as enormous touristics potentialities and they are the only ski resort and ski trails existing in Portugal ( Loriga is the Lusian Capital and the capital of the snow in Portugal ).

Loriga is a town in Portugal located in Guarda District. Loriga is 20 km away from Seia, 40 km away from Viseu, 80 km away from Guarda and 320 km from Lisbon. It is nestled in the Serra da Estrela mountain range. The population is 789 (2015 estimate).

It is known as the "Portuguese Switzerland" due to its landscape: a town surrounded by mountains.

Known to be settled by the Lusitanians, the town is more than 2600 years old and was part of the Roman province of Lusitania. It was known as Lobriga by the Lusitanians and Lorica by the Romans.

Loriga became a textile manufacturing center in the begin-19th century. While that industry has since dissipated, today the town attracts a sizable tourist trade due to its picturesque scenery and vicinity to the Loriga Ski Resort, the only ski center in Portugal, totally inside the town limits.

Loriga is 20 km away from Seia, 40 km away from Viseu, 80 km away from Guarda and 320 km from Lisbon. It is nestled in the Serra da Estrela mountain range.

It is known as the "Portuguese Switzerland" due to its landscape: a town surrounded by mountains.

Known to be settled by the Lusitanians, the town is more than 2600 years old and was part of the Roman province of Lusitania. It was known as Lobriga by the Lusitanians and Lorica by the Romans.

Loriga became a textile manufacturing center in the begin-19th century. While that industry has since dissipated, today the town attracts a sizable tourist trade due to its picturesque scenery and vicinity to the Loriga Ski Resort, the only ski center in Portugal, totally inside the town limits.

História de Loriga - Extratos da obra do historiador António Conde, "História concisa da vila de Loriga - Das origens à extinção do município" / History of Loriga - Excerpts from the work of the historian António Conde, "Concise History of the town of Loriga - From the Origins to the extinction of the municipality"

Coordinates: 40°19′13.69″N 7°39′58.15″W / 40.3204694°N 7.6661528°W /

40.3204694; -7.6661528

Loriga

Civil Parish (Vila)

The valley parish of Loriga in the shadow of the Serra da Estrela

Official name: Vila de Loriga

Country - Portugal

Region - Centro, Portugal

Subregion - Serra da Estrela

District - Guarda

Municipality - Seia

Localities - Fontão, Loriga

Landmark - Torre (Serra da Estrela)

Rivers - Ribeira de São Bento, Ribeira de Loriga

Center Loriga

- elevation 1,293 m (4,242 ft)

- coordinates 40°19′13.69″N 7°39′58.15″W / 40.3204694°N 7.6661528°W /

40.3204694; -7.6661528

Length - 4.21 km (3 mi), Northwest-Southeast

Width - 13.78 km (9 mi), Southwest-Northeast

Area - 36.25 km² (14 sq mi)

Population - 789 (2015)

Density - 21.76 / km² (98 / sq mi)

LAU - Vila/Junta Freguesia

- location - Largo da Fonte do Mouro, Loriga

Timezone - WET (UTC0)

- summer (DST)WEST (UTC+1)

ISO 3166-2 codePT-

Postal Zone - 6270-073 Loriga

Area Code & Prefix - (+351) 238 XXX XXX

Demonym - Loriguense or Loricense

Patron Saint - Santa Maria Maior

Parish Address - Largo da Fonte do Mouro, 1019

6270-073 Loriga

Statistics from INE (2001); geographic detail from Instituto Geográfico

Português (2010)

Loriga (Portuguese pronunciation: [lo ˈɾiɡɐ]) is a town (Portuguese: vila) in south-central part of the municipality of Seia, in central Portugal. Part of the district of Guarda, it is 20 km away from Seia, 40 km away from Viseu, 80 km away from Guarda and 320 km from Lisbon, nestled in the Serra da Estrela mountain range. In 2015, estimates have the resident population at about 789 inhabitants, in an area of 36.25 km² that includes the two localities, the town of Loriga and the village of Fontão.

History

Loriga was founded originally along a column between ravines where today the historic centre exists. The site was ostensibly selected more than 2600 years ago, owing to its defensibility, the abundance of potable water and pasturelands, and lowlands that provided conditions to practice both hunting and gathering/agriculture.

When the Romans arrived in the region, the settlement was concentrated into two areas. The larger, older and principal agglomeration was situated in the area of the main church and Rua de Viriato, fortified with a wall and palisade. The second group, in the Bairro de São Ginês, were some small homes constructed on the rocky promintory, which were later appropriated by the Visigoths in order to construct a chapel. The 1st century Roman road and two bridges (the second was destroyed in the 16th century after flooding) connected the outpost of Lorica to the rest of their Lusitanian province. The barrio of São Ginês (São Gens), a local ex-libris, is the location of the chapel of Nossa Senhora do Carmo, an ancient Visigothic chapel. São Gens, a Celtic saint, martyred in Arles na Gália, during the reign of Emperor Diocletian, and over time the locals began to refer to this saint as São Ginês, due to its easy of pronunciation.

Middle Ages

Loriga was the municipal seat since the 12th century, receiving forals in 1136 (João Rhânia, master of the Terras de Loriga for over two decades, during the reign of Afonso Henriques), 1249 (during the reign of Afonso III), 1474 (under King Afonso V) and finally in 1514 (by King Manuel I).

Loriga was an ecclesiastical parish of the vicarage of the Royal Padroado and its Matriz Church was ordered constructed in 1233, by King Sancho II. This church, was to the invokation of Santa Maria Maior, and constructed over the ancient small Visigothic chapel (there is a lateral block with visigoth inscriptions visible). Constructed in the Romanesque-style it consists of a three-nave building, with hints of the Sé Velha of Coimbra. This structure was destroyed during the 1755 earthquake, and only portions of the lateral walls were preserved.

The 1755 earthquake resulted in significant damage to the town of Loriga, destroying homes and the parcochial residence, in addition to opening-up cracks and faults in the town's larger buildings, such as the historic municipal council hall (constructed in the 13th century). An emissary of the Marquess of Pombal actually visited Loriga to evaluate the damage (something that did not happen in other mountainous parishes, even Covilhã) and provide support.

The residents of Loriga supported the Absolutionist forces of the Infante Miguel of Portugal against the Liberals, during the Portuguese Liberal Wars, which resulted in Loriga being abandoned politically after Miguel's explusion by his brother King Peter. In 1855, as a consequence of its support, it was stripped of municipal status during the municipal reforms of the 19th century. At the time of its municipal demise (October 1855), the municipality of Loriga included the parishes of Alvoco da Serra, Cabeça, Sazes da Beira, Teixeira, Valezim and Vide, as well as thirty other disincorporated villages.

Loriga was an industrial centre for textile manufacturing during the 19th century. It was one of the few industrialized centres in the Beira Interior region, even supplanting Seia until the middle of the 20th century. Only Covilhã out-preformed Loriga in terms of businesses operating from its lands; companies such as Regato, Redondinha, Fonte dos Amores, Tapadas, Fândega, Leitão & Irmãos, Augusto Luís Mendes, Lamas, Nunes Brito, Moura Cabral and Lorimalhas, among others. The main roadway in Loriga, Avenida Augusto Luís Mendes, is named for one of the towns most illustrious industrialists. The wool industry started to decline during the last decades of the 20th century, a factor that aggravated and accelerated the decline of the region.

Geography

Known locally as the "Portuguese Switzerland" due to its landscape that includes a principal settlement nestled in the mountains of the Serra da Estrela Natural Park. It is located in the south-central part of the municipality of Seia, along the southeast part of the Serra, between several ravines, but specifically the Ribeira de São Bento and Ribeira de Loriga; it is 20 kilometres from Seia, 80 kilometres from Guarda and 300 kilometres from the national capital (Lisbon). A main town is accessible by the national roadway E.N. 231, that connects directly to the region of the Serra da Estrela by way of E.N.338 (which was completed in 2006), or through the E.N.339, a 9.2 kilometre access that transits some of the main elevations (960 metres near Portela do Arão or Portela de Loriga, and 1650 metres around the Lagoa Comprida).

The region is carved by U-shaped glacial valleys, modelled by the movement of ancient glaciers. The main valley, Vale de Loriga was carved by longitudanal abrasion that also created rounded pockets, where the glacial resistance was minor. Starting at an altitude of 1991 metres along the Serra da Estrela the valley descends abruptly until 290 metres above sea level (around Vide), passing villages such as Cabeça, Casal do Rei and Muro. The central town, Loriga, is seven kilometres from Torre (the highest point), but the parish is sculpted by cliffs, alluvial plains and glacial lakes deposited during millennia of glacial erosion, and surrounded by rare ancient forest that surrounded the lateral flanks of these glaciers.

Economy

Textiles are the principal local export; Loriga was a hub the textile and wool industries during the mid-19th century, in addition to being subsistence agriculture responsible for the cultivation of corn. The Loriguense economy is based on metallurgical industries, bread-making, commercial shops, restaurants and agricultural support services.

While that textile industry has since dissipated, the town began to attract a tourist trade due to its proximity to the Serra da Estrela and Loriga Ski Resort (the only ski center in Portugal), which was constructed within the parish limits.

By António Conde - History of Loriga - Excerpts from the work of the historian António Conde, "Concise History of the town of Loriga - From the Origins to the extinction of the municipality", and Loriga on Wikipedia - Article created by the historian António Conde.

**************************************************************************************************

História de Loriga - Extratos da obra do historiador Antonio Conde, "História concisa da vila de Loriga - Das origens à extinção do município"

LORIGA - LORICA LUSITANORUM CASTRUM EST - História concisa de Loriga

Loriga é uma vila e freguesia portuguesa, situada na Serra da Estrela, distrito da Guarda. Tem 36,52 km² de área, e densidade populacional de 21,60 hab/km² (2015).

Loriga encontra-se a 80km da Guarda e 300km de Lisboa. A vila é acessível pela EN 231, e tem acesso à Torre pela EN 338, seguindo um traçado projectado décadas atrás, com um percurso de 9.2 km de paisagens deslumbrantes, entre as cotas 960m (Portela de Loriga) e 1650m, acima da Lagoa Comprida onde entronca com a EN 339.

A àrea urbana da vila encontra-se a uma altitude que varia entre os 770m e os 1200m.

Gentílico: Loricense ou loriguense

Orago: Santa Maria Maior

Código Postal: 6270

Loriga (pron. [lo'ɾigɐ]) é uma vila e freguesia portuguesa do concelho de Seia, distrito da Guarda, na província da Beira Alta, região do Centro e sub-região da Serra da Estrela. Tem 36,52 km² de área e uma povoação anexa, o Fontão. Faz parte do Parque Natural da Serra da Estrela.

Há décadas foi chamada a "Suíça Portuguesa" devido às características da sua belíssima paisagem. Está situada a partir de 770m de altitude, rodeada por montanhas, todas com mais de 1500m de altitude das quais se destacam a Penha dos Abutres (1828m de altitude) e a Penha do Gato (1771m), e é abraçada por dois cursos de água: a Ribeira de Loriga e a Ribeira de S.Bento, as quais se unem depois da E.T.A.R. da vila. A Ribeira de Loriga é um dos maiores afluentes do Rio Alva.

Vila

A vila está dotada de uma ampla gama de infrastrutras, como por exemplo a Escola C+S Dr.Reis Leitão, a Banda Filarmónica de Loriga, fundada em 1905, o corpo de Bombeiros Voluntários de Loriga, cujos serviços se desenvolvem na àrea do antigo Município Loricense, a Casa de Repouso Nª. Srª. da Guia, uma das últimas obras sociais de relevo, a Associação Loriguense de Apoio Terceira Idade, o Grupo Desportivo Loriguense, fundado em 1934, Posto da GNR,Correios, serviços bancários, farmácia, Escola EB1 e pré-escolar, praia fluvial, estância de esqui (única em Portugal), etc .

Ao longo do ano celebram-se de maneira especial o Natal, com a tradicional fogueira e os típicos doces e outras iguarias loriguenses da época. Na Páscoa, além da tradicional visita pascal destaca-se a Amenta das Almas, cantos nocturnos masculinos, que evocam as almas de entes falecidos, por altura da Quaresma mas também na época do Dia de Todos os Santos e de Finados. Celebram-se também as festas em honra de Santo António (durante o mês Junho) e São Sebastião (no último Domingo de Julho), com as respectivas mordomias e procissões. Porém, o ponto mais alto e concorrido das festividades religiosas é a festa dedicada à padroeira dos emigrantes de Loriga, Nª. Srª. da Guia, que se realiza todos os anos, no primeiro Domingo de Agosto. Recorda-se a propósito que a padroeira da vila de Loriga e dos loriguenses é Santa Maria Maior, e por isso é o orago da Igreja Matriz e da paróquia desde o século XIII, tratando-se de uma questão de fé e de história. No segundo Domingo, tem lugar a festa em honra de Nª. Srª. da Ajuda, na bela aldeia de xisto de Fontão de Loriga.

A gastronomia loriguense faz parte daquela que é considerada a mais típica e rica da Beira Alta, onde se salientam os pratos calóricos de alta montanha, os enchidos, a feijoada (com feijocas, uma espécie de feijão branco, maior que o habitual conhecida localmente por "Calhorras"), o cabrito no forno, a broa de milho, queijaria de ovelha e cabra, nomeadamente o afamado queijo da Serra (com DOP), a aguardente de zimbro, etc. Grande parte dos doces e sobremesas típicas eram e são elaboradas para celebrar a Páscoa e o Natal. De entre os doces, têm relevo as broínhas doces, o arroz doce, o carolo (doce feito com milho), a botelha (sobremesa feito com abóbora), a tapioca (sobremesa parecida ao arroz doce, feita com tapioca partida em grãos - importada pela comunidade loriguense no Brasil) e o famoso Bolo Negro de Loriga. A importância da gastronomia única é reflectida na Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga, aliás estas duas delícias loriguenses estiveram entre as finalistas das 7 Maravilhas gastronómicas de Portugal. Loriga faz parte da Rota do Xisto e do Milho.

A famosa praia fluvial de Loriga foi uma das 298 praias nacionais galardoadas com a bandeira azul; desde Junho de 2012 que tem recebido a bandeira "Qualidade Ouro", atribuída pela Quercus. Ambas as bandeiras foram inicialmente hasteadas no dia 24 de Junho de 2012. No dia 5 de Maio de 2012, a praia fluvial de Loriga, ficou apurada entre as 21 finalistas, do total de 70 pré-finalistas, divididas por 7 categorias, para concorrer ao concurso "7 Maravilhas - Praias de Portugal", na categoria de "praias de rios".

Acordos de geminação: Loriga celebrou acordo de geminação com: A vila, actual cidade de Sacavém, no concelho de Loures, em 1 de Junho de 1996.

________________________________________________

História concisa da vila de Loriga

Lorica, foi o nome dado pelos Romanos a Lobriga, povoação que foi, nos Hermínios (actual Serra da Estrela), um forte bastião lusitano contra os invasores romanos. Os Hermínios foram a maior fortaleza lusitana e Lorica situada no coração dessa fortaleza, perto do ponto mais alto. Lorica, do latim, é nome de antiga couraça guerreira, de que derivou Loriga, com o mesmo significado. Os próprios soldados e legionários romanos usavam Lorica. Os Romanos puseram-lhe tal nome, devido à sua posição estratégica na serra, e ao seu protagonismo durante a guerra com os Lusitanos (* LORICA LUSITANORUM CASTRUM EST). É um caso raro em Portugal de um nome que se mantém praticamente inalterado há mais de dois mil anos, sendo altamente significativo da antiguidade e da história da povoação (por isso, a couraça é a peça central e principal do brasão histórico da vila).

A povoação foi fundada estratégicamente no alto de uma colina, entre duas ribeiras, num belo vale de origem glaciar. Desconhece-se, como é evidente, a longínqua data da sua fundação, mas sabe-se que a povoação existe há mais de dois mil e seiscentos anos, e surgiu originalmente no mesmo local onde hoje está o centro histórico da vila. No Vale de Loriga, onde a presença humana é um facto há mais de cinco mil anos, existem actualmente, além da vila, as aldeias de Cabeça, Muro, Casal do Rei e Vide.

Da época pré- romana existe, por exemplo uma sepultura antropomórfica com mais de dois mil anos, num local onde existiu um antigo santuário, numa época em que o nome da povoação era Lobriga, etimologia de evidente origem céltica. Lobriga, foi uma importante povoação fortificada, Celta e Lusitana, na serra.

A tradição local, e diversos antigos documentos, apontam Loriga como tendo sido berço de Viriato, que terá nascido nos Hermínios onde foi pastor desde criança. É interessante a descrição existente no livro manuscrito História da Luzitânia, do Bispo-Mor do Reino (1580): "...Sucedeu o pastor Viriato, natural de Lobriga, hoje a villa de Loriga, no cimo da Serra da Estrêla, Bispado de Coimbra, ao qual, aos quarenta annos de idade, aclamarão Rey dos Luzitanos, e casou em Évora com huma nobre senhora no anno 147..." . A rua principal, da àrea mais antiga do centro histórico da vila de Loriga, tem o nome de Viriato, em sua homenagem.

Ainda hoje existem partes da estrada, e uma das duas pontes (século I a.C.), com que os Romanos ligaram Lorica ao restante império. A ponte romana ainda existente, sobre a Ribeira de Loriga, está em bom estado de conservação, e é um bom exemplar da arquitectura da época. A estrada romana ligava Lorica a Egitânia (Idanha-a-Velha), Talabara (Alpedrinha), Sellium (Tomar), Scallabis (Santarém), Olisipo (Lisboa) e a Longóbriga (Longroiva), Verurium (Viseu), Balatucelum (Bobadela), Conímbriga (Condeixa) e Aeminium (Coimbra). Era uma espécie de estrada estratégica destinada a ajudar a controlar os montes Hermínios onde viviam tribos lusitanas muito aguerridas.

Quando os romanos chegaram,a povoação estava dividida em dois núcleos separados por poucas centenas de metros. O maior, mais antigo e principal situava-se na àrea onde hoje existem a Igreja Matriz e parte da Rua de Viriato, sendo defendido por muros e paliçadas. O outro núcleo, constituído apenas por algumas habitações, situava-se mais acima j unto a um pequeno promontório rochoso, em cima do qual mais tarde os Visigodos construíram uma ermida dedicada a S.Gens.

Com o domínio romano, cresceu a importância de Lorica, uma povoação castreja que recebeu populações de castros existentes noutros locais dos Hermínios, e que entretanto foram abandonados. Isso aconteceu porque esses castros estavam localizados em sítios onde a única vantagem existente era a facilidade de defesa. Sítios que, ao contrário de Lorica, eram apenas um local de refúgio, onde as habitações estavam afastadas dos recursos necessários à sobrevivência, tais como àgua e solos aráveis. Um desses castros abandonados, e cuja população se deslocou para Lorica, situava-se no ainda conhecido Monte do Castelo, ou do Castro, perto da Portela de Loriga. No século XVIII ainda eram visíveis as ruínas das fundações das habitações que ali existiram, mas actualmente no local apenas se vêem pedras soltas. A propósito é completamente errada a ideia criada segundo a qual os Lusitanos apenas construíam as suas habitações no cimo dos montes, que deixaram apenas com a chegada dos romanos. Pelo contrário, eles sabiam escolher os melhores locais e a facilidade de defesa não era o único critério.

Loriga, foi também importante para os Visigodos, os quais criaram a paróquia e deixaram uma ermida dedicada a S.Gens, um santo de origem céltica, martirizado em Arles, na Gália, no tempo do imperador Diocleciano. A ermida sofreu obras de alteração e o orago foi substituído, passando a ser de Nossa Senhora do Carmo. Com a passagem dos séculos, os loricenses passaram a conhecer o santo por S.Ginês, hoje nome de bairro neste local do actual centro histórico da vila. A actual derivação do nome romano, Loriga, começou a ser usada pelos Visigodos, mas só se impôs definitivamente já no século XIII.

A Igreja Matriz tem, numa das portas laterais, uma pedra com inscrições visigóticas, aproveitada de um antigo pequeno templo existente no local quando da construção datada de 1233. A antiga igreja, era um templo românico com três naves, a traça exterior era semelhante à da Sé Velha de Coimbra, tinha o tecto e abóbada pintados com frescos e, quando foi destruída pelo sismo de 1755, possuía nas paredes, quadros da escola de Grão Vasco. Da primitiva igreja românica do século XIII restam partes das paredes laterais e outra alvenaria. Desde a reconquista cristã, que Loriga pertenceu à Coroa e à Vigariaria do Padroado Real, e foi o próprio rei (na época D.Sancho II) que mandou construír a Igreja Matriz, cujo orago era, tal como hoje, de Santa Maria Maior. Na segunda metade do século XII já existia a paróquia de Loriga, que foi criada aliás pelos visigodos pertencendo então á diocese da Egitânia (mais tarde transferida para a Guarda), e os fieis dos então poucos e pequenos lugares ou "casais" dos arredores, vinham à vila assistir aos serviços religiosos. Alguns desses lugares, hoje freguesias, foram, a partir do século XVI, adquirindo alguma autonomia "religiosa", começando por Alvoco, e seguindo-se Vide, Cabeça e Teixeira.

A vila de Loriga, recebeu forais de João Rhânia (senhorio das Terras de Loriga durante cerca de duas décadas, no tempo de D. Afonso Henriques) em 1136, de D.Afonso III em 1249, de D.Afonso V em 1474, e recebeu foral novo de D.Manuel I em 1514.

Com D. Afonso III, a vila recebeu o primeiro foral régio (dado diretamente pelo rei), e em 1474, D. Afonso V doou Loriga ao fidalgo Àlvaro Machado, herdeiro de Luís Machado, que era também senhor de Oliveira do Hospital e de Sandomil, doação confirmada em 1477, e mais tarde por D.Manuel I. No entanto, após a morte do referido fidalgo, a vila voltou definitivamente para os bens da Coroa. No século XII, o concelho de Loriga abrangia a àrea compreendida entre a Portela de Loriga (hoje também conhecida por Portela do Arão) e Pedras Lavradas, incluindo as àreas das actuais freguesias de Alvoco da Serra, Cabeça, Teixeira, e Vide. Na primeira metade do século XIX, em 1836, o concelho de Loriga passou a incluír Valezim e Sazes da Beira. Valezim, actual aldeia histórica, recebeu foral em 1201, e o concelho foi extinto em 1836, passando a pertencer ao de Loriga. Alvoco da Serra recebeu foral em 1514 e Vide gozou de alguma autonomia no século XVII e foi elevada a paróquia, mas sem nunca ter recebido foral ou categoria de vila e isso reflete-se no seu brasão, mas voltaram a ser incluídas plenamente no concelho de Loriga em 1828 e 1834 respectivamente, também no início do século XIX. As sete freguesias que ocupam a àrea do antigo município loricense, constituem actualmente a denominada Região de Loriga. Essas freguesias constituem também a Associação de Freguesias da Serra da Estrela,com sede na vila de Loriga.

Loriga, é uma vila industrializada (têxtil) desde o início do século XIX, quando "aderiu" à chamada revolução industrial mas, já no século XV os loricenses produziam bureis e outros panos de lã. Loriga, chegou a ser uma das localidades mais industrializadas da Beira Interior, e a actual sede de concelho só conseguiu ultrapassá-la em meados do século XX. Tempos houve em que só a Covilhã ultrapassava Loriga em número de empresas. Demonstrativo da genialidade dos loricenses, é que tudo isso aconteceu apesar dos acessos difíceis à vila, os quais até à década de trinta do século XX, se resumiam à velhinha estrada romana de Lorica, contruída no século I antes de Cristo. Nomes de empresas, tais como Regato, Fândega, Leitão & Irmãos, Redondinha, Tapadas, Augusto Luís Mendes, Moura Cabral, Lorimalhas, Lages Santos, Nunes Brito, etc, fazem parte da rica história industrial desta vila. A maior e principal avenida de Loriga tem o nome de Augusto Luís Mendes, o mais destacado dos antigos industriais loricenses. Mais tarde, a metalurgia,a pastelaria, e mais recentemente, o turismo (Loriga tem enormes potencialidades turisticas), passaram a fazer parte dos pilares da economia da vila.

Outra prova do génio loriguense é um dos exlíbris de Loriga, os inúmeros socalcos e a sua complexa rede de irrigação, construídos ao longo de muitas centenas de anos, e que transformaram um vale belo mas rochoso, num vale fértil.

Mas, Loriga acabou por ser derrotada por um inimigo político e administrativo, local e nacional, contra o qual teve que lutar desde meados do século XIX. A história da vila de Loriga é, aliás, um exemplo das consequências que os confrontos de uma guerra civil podem ter no futuro de uma localidade e de uma região. Loriga tinha a categoria de sede de concelho desde o século XII, tendo mas, por ter apoiado os chamados Absolutistas contra os Liberais na guerra civil portuguesa, teve o castigo de deixar de ser sede de concelho em 1855 quando da reforma administativa em curso. A conspiração movida por desejos expansionistas da localidade que beneficiou com o facto, precipitou os acontecimentos. Tratou-se de um grave erro político e administrativo como tem vindo a confirmar-se; foi, no mínimo, um caso de injusta vingança política, numa época em que não existia democracia e reinavam o compadrio, os caciques e a corrupção, e assim começou o declínio de toda a região de Loriga (antigo concelho de Loriga). Se nada de verdadeiramente eficaz for feito, começando pela vila de Loriga, esta região estará desertificada dentro de poucas décadas, o que, tal como em relação a outras relevantes terras históricas do interior do país, será com certeza considerado como uma vergonha nacional. Confirmaria também a óbvia existência de graves e sucessivos erros nas políticas de coesão, administração e ordenamento do território, para não dizer inexistência. Para evitar tal situação, vergonhosa para o país, é necessário no mínimo por em prática o que já é reconhecido no papel: desenvolver a vila de Loriga, pólo e centro da região. A comprovar a catástrofe que atingiu a Região de Loriga basta dizer que entre 1989 e 2015 Loriga perdeu quase dois terços da população, para falar apenas em tempos mais recentes.

Infelizmente constata-se que os politicos não mudaram desde o século XIX nem aprenderam com os erros, como se confirmou com a "reforma administrativa" das freguesias de 2013.

Em Loriga existem a única estância e pistas de esqui existentes em Portugal. Loriga, é a capital da neve em Portugal.

VIAS ROMANAS EM PORTUGAL - Vestígios Romanos Georeferenciados em Loriga

O nome Lorica aparece como sendo da época romana num documento medieval visigótico com referências à zona. Foi aliás na época visigótica que a "versão" Loriga começou a substituir o nome Lorica que vinha da época romana, mas o nome original dado pelos romanos só caiu totalmente em desuso durante a primeira metade do século XIII. Depois, aparece novamente em documentos dos séculos X, XI, XII e XIII, principalmente em documentos do século XII, inclusive quando se fala de limites territoriais, onde até a actual Portela do Arão é referida como Portela de Lorica, começando mais tarde a ser referida como Portela de Aran, depois de Aarão, e finalmente do Arão. A estrada romana de Lorica era uma espécie de estrada estratégica, destinada a ajudar a controlar os Montes Herminios onde, como se sabe, viviam tribos lusitanas muito aguerridas. Esta estrada ligava entre si duas grandes vias transversais, a que ligava Conimbriga, a norte, e a que ligava Iaegitania, a sul. Não se sabe os locais exactos dos cruzamentos, mas tudo indica que a norte seria algures perto da actual Bobadela. Quanto aos vestígios da calçada romana original, eles podem encontrar-se Na área das Calçadas, onde estiveram na origem deste nome, e dispersos em pequenos vestígios até à zona da Portela do Arão, tratando-se da mesma estrada.

A título de curiosidade, a estrada romana foi utilizada desde que foi construída, provalvelmente por volta de finais do século I antes de Cristo, até à década de trinta do século XX quando entrou em funcionamento a actual EN231. Sem a estrada romana teria sido impossível o já por si grande feito de Loriga se tornar um dos maiores pólos industriais têxteis da Beira Interior durante o século XIX.

- Factos comprovados: Lorica era o antigo nome de Loriga, existiram duas pontes romanas, uma delas ainda existe, e a outra, construída sobre a Ribeira de S.Bento, ruiu no século XVI, e ambas faziam parte da estrada romana que ligava a povoação ao restante império romano. A ponte romana que ruiu estava situada a poucas dezenas de metros a jusante da actual ponte, também construída em pedra mas datada de finais do Século XIX. A antiga estrada romana descia pela actual Rua do Porto, subia pela actual Rua do Vinhô, apanhava parte da actual Rua de Viriato passando ao lado da povoação então existente, subia pelas actuais ruas Gago Coutinho e Sacadura Cabral, passava na actual Avenida Augusto Luis Mendes, na área conhecida por Carreira, seguindo pela actual Rua do Teixeiro em direcção à ponte romana sobre a Ribeira de Loriga, também erradamente conhecida por Ribeira da Nave e Ribeira das Courelas.

Entre a capela de S.Sebastião e o cemitério, existia um troço de Calçada romana bem conservada que não deixava dúvidas a ninguém sobre a sua verdadeira origem, mas infelizmente uma parte foi destruída e a restante soterrada quando fizeram a estrada entre a Rua do Porto e o cemitério.

A ponte sobre a Ribeira de São Bento foi construída no século XIX para substituir a ponte romana que ruíu no século XVI após uma grande cheia. A ponte romana foi entretanto substituída por uma travessia em madeira, até á construção dessa ponte que ficou conhecida por Ponte do Arrocho. A estrada romana passava por ali e esteve na origem da contígua Rua do Porto. Os ignorantes confundiram e trocaram os factos (é uma prática recorrente), confundindo esta ponte com a ponte romana na Ribeira de Loriga a qual, e de forma hilariante, inventaram como uma espécie de "ponte lego". 

O património histórico nunca foi estimado em Loriga...

Numa zona propositadamente conhecida por Calçadas, já afastada da vila, ainda existem vestígios bem conservados do primitivo pavimento da estrada romana.

A Paróquia e a Igreja Matriz da vila de Loriga 

Imagem de Santa Maria Maior, padroeira de Loriga e dos loriguenses e que por isso é o orago da Igreja Matriz e da paróquia desde o século XIII.

Sabe-se que Loriga é uma povoação que tem mais de dois mil e seiscentos anos de existência no exato local onde existe o centro histórico da vila, uma colina entre ribeiras, defensável e perto de duas abundantes linhas de água.

E a propósito do acesso à água, os habitantes desta plurimilenar povoação tinham ainda disponível uma nascente, hoje conhecida por Fonte do Vale, e que sabe-se foi também bastante valorizada mais tarde nas épocas romana e medieval. Sabe-se que nessa época a povoação estendia-se desde aproximadamente o local onde existe a convergência de três ruas, e a área onde hoje está o centro de dia da ALATI. A povoação era defendida por muros e paliçadas e sabe-se que a atual Rua de Viriato, no troço entre a antiga sede do GDL e a antiga Casa do Povo, coincide exatamente com uma parte dessa linha defensiva da povoação. O local onde hoje existem o adro e a igreja era o ponto central dessa povoação, e assim iria permanecer durante muitos séculos. É portanto completamente natural que com a cristianização da população e com a chegada dos Visigodos este local fosse eleito para construir o primeiro templo cristão da então Lorica.Sabe-se que os Visigodos construiram pelo menos dois templos em Lorica, e digo pelo menos porque encontrei indícios, que não consegui confirmar da existência de mais uma ermida além daquela que construíram onde hoje está a capela de Nossa Senhora do Carmo e que era dedicada a S. Gens. A dada altura cheguei a pensar tratar-se da ermida de S. Bento, a tal que deu nome à area e à ribeira mas essa, embora confirmadamente já existisse no século XII não é anterior ao século X. Certo é que os visigodos construíram a ermida de S. Gens, e na época era mesmo uma ermida porque aquele local ficava fora da povoação então existente, e quanto à escolha daquele local não é de excluir a hipótese de ser um antigo local de culto pagão, dadas as suas caraterísticas. Dada a religiosidade dos loriguenses, é no mínimo estranho que uma devoção tão antiga a um santo tenha sido completamente abandonada, que tenham deixado cair em ruínas a sua ermida e depois a tenham recuperado mas com outro orago. Não consegui encontrar uma explicação, e como se isso não bastasse e para completar o "anátema" a que os loriguenses condenaram o santo, mudaram-lhe também o nome de São Gens para São Ginês, um santo que nunca existiu. Mas o pormenor da mudança de nome pode ser facilmente explicado pela passagem dos séculos, pelo isolamento e pela "adaptação linguística" que tende a inclinar-se para as formas mais fáceis, e Loriga também é conhecida pelas suas "singularidades linguísticas" e pelo uso massivo de alcunhas.

Imagem de São Gens, ao qual os loriguenses "puseram a alcunha" de São Ginês / Genês, e a sua ermida hoje dedicada a Nossa Senhora do Carmo.

Também é certo que os visigodos construíram um templo dedicado a Nossa Senhora no exato local onde hoje existe a Igreja Matriz, tratando-se de uma pequena capela cujas dimensões não andariam longe das que tem a ermida de Nossa Senhora da Guia. Sabe-se também que na época visigótica Loriga tinha o estatuto de paróquia, que dependia do bispo de Egitânia ( atual Idanha a Velha ), e que a paróquia abrangia uma área aproximadamente equivalente ao antigo concelho loricense na sua fase maior, que foi atingida em meados do século XIX. Obviamente foi impossível saber com exatidão a área da paróquia na época visigótica mas fiquei surpreendido com a descoberta da mesma e com a existência de algumas localidades em redor de Loriga, que ainda existem e das quais apenas duas atingiram o estatuto de freguesias. Nestas andanças da pesquisa histórica há muito tempo que aprendi que até algumas aldeias mais pequenas que alguns consideram insignificantes podem de facto esconder uma história milenar. Em sentido contrário existem localidades que hoje têm alguma importância e cujos naturais se esforçam por inventar um longo passado que nunca existiu. Portanto, os tais "casais" referidos nos "pergaminhos", cujos habitantes iam à igreja de Lorica ouvir missa, já têm uma longa história que nunca foi registada, e infelizmente uma dessas localidades foi recentemente e inj ustamente amputada do seu estatuto de freguesia. E digo igreja de Lorica porque o uso da atual versão do nome romano, ou seja Loriga, só se consolidou definitivamente na primeira metade do século XIII. 

No início da nacionalidade, a consolidação, a administração do território e a necessária fixação das populações implicava a atribuição de forais mas também a criação de condições para a prática do culto, e é por isso frequente ao longo da história a construção de igrejas por iniciativa real. E a esse propósito os reis mandavam construir igrejas em povoações que já eram sede de município ou em povoações que seriam elevadas a essa condição, tudo para aj udar a fixar as populações, e outras medidas eram tomadas nesse sentido, e por exemplo muitos castelos foram feitos também com esse objetivo. O pormenor a considerar é que o estatuto de município andava sempre a par com o estatuto de paróquia, portanto as localidades que tinham igrejas eram geralmente sedes de concelho, e seria certo se a igreja fosse mandada construir pelo rei. Sabe-se que a Igreja de Loriga foi mandada construir pelo rei D. Sancho II em cima da construção do já referido pequeno templo visigótico do qual foi aproveitada a pedra onde foi gravada a data da construção, o ano de 1233. Assim, essa pedra colocada por cima de uma das portas laterais virada para o adro, na igreja atual confirma a sua longa existência, correspondendo à data da decisão da construção. A decisão real nesse sentido deve-se principalmente ao facto de Loriga pertencer à Vigariaria do Padroado Real. A Igreja foi dedicada desde logo a Santa Maria Maior, um orago que se mantem, sendo um templo românico cuja traça e fachada principal fazia lembrar a Sé Velha de Coimbra, embora obviamente sem a monumentalidade desta.A igreja tinha três naves e as dimensões eram próximas das atuais, mas para além disso a atual igreja nada tem a ver com a antiga e o que vemos ali é fruto de várias reconstruções e alterações, sendo que as mais radicais foram consequência do sismo de 1755. Já muita gente se interrogou sobre o porquê das graves consequências do sismo de 1755 em Loriga, e por isso ficam aqui algumas explicações. Em primeiro lugar, Loriga está situada num local geologicamente sensível, num sítio de transição entre dois blocos rochosos diferentes, de um lado o granito e do outro o xisto, facto que é suficiente para provocar grande agitação em caso de sismo. Além disso, e para piorar a situação, a colina entre ribeiras não é muito sólida porque foi criada com depósitos arrastados pelo antigo glaciar que rasgou o Vale de Loriga, e por tudo isso é que as consequências do sismo foram tão graves na vila de Loriga. De sublinhar que os estragos não se limitaram à Igreja Matriz e o terramoto, além dos estragos provocados em muitas habitações, provocou o desabamento de uma das paredes da residência paroquial e abriu fendas no robusto edifício da Câmara Municipal, construído no século XIII, e cujas paredes do rés do chão onde funcionava a cadeia, tinham uma espessura de quase dois metros. Os loricenses tiveram que lidar com todos os estragos e não receberam qualquer ajuda externa, apesar de o próprio Marquês de Pombal ter sido informado da grave situação. Felizmente não houve, ou pelo menos não há registos de mortos nem de feridos graves na vila. Após o sismo que provocou a ruína praticamente completa, a igreja foi reconstruída com estilo barroco, mas podem ser sublinhadas outras alterações, algumas das quais nada tiveram a ver com esta reconstrução. Por exemplo, foram acrescentadas duas capelas uma de cada lado da capela-mor, uma das quais foi depois transformada em capela-sacristia e finalmente em apenas sacristia, e ao lado desta foi acrescentada outra capela. A escadaria e a porta exteriores que dão acesso ao coro também não existiam e o acesso aos sinos era feito pelo interior da igreja, sendo que estas últimas alterações foram feitas como consequência do sismo.Com o tempo foram feitas alterações e restauros por vezes de forma desastrosa por quem não tinha qualquer sensibilidade para a preservação do património e por isso a atual igreja, embora bela não é tão bonita nem é tão valiosa quanto seria sem essas más intervenções. No século seguinte ao do sismo, em Setembro de 1882, novamente se fez sentir no centro do país um tremor de terra e, por conseguinte também muito sentido em Loriga, o qual pareceu, em principio, não ter grande gravidade. Só que as consequências viriam mais tarde, quando todos pareciam já ter esquecido. Em Novembro seguinte, e quando era celebrada a missa, estalou a viga mestra da igreja tendo, de imediato, sido efetuada a desocupação do templo e retirando algumas imagens e outros artigos. Só no fim do dia aconteceu o desabamento quase completo da cobertura ficando apenas de pé a torre e a capela-mor. Dois anos depois foram terminados os trabalhos da reconstrução da igreja que, tal como acontecera após o sismo de 1755, foi feita pela população local, toda unida, e foi esta última reconstrução que chegou aos tempos atuais embora, conforme já foi referido, com alguns "restauros" que a empobreceram.

Foto da antiga capela de Santo António e aparência final desta antiga ermida do século XIV, como resultado da última reconstrução efetuada, e pouco tempo antes da sua demolição no século XX, e a mesma imagem numa pintura do pintor loriguense José Mendes.

Ainda a propósito das antigas ermidas de Loriga, informo que a velhinha capela de Santo António foi construída no século XIV, foi várias vezes reconstruída e infelizmente foi demolida na década de setenta do século XX, fazendo parte da lista do património histórico destruído nesta vila. Foi uma ermida porque quando foi construída junto da antiga estrada romana, atual troço da Avenida Augusto Luís Mendes, ficava a centenas de metros da povoação então existente, tal como a antiga ermida visigótica de São Gens. A sua traça original era de estilo românico e possuía um alpendre à entrada, tendo servido de matriz de Loriga durante a reconstrução da igreja após o terramoto de 1755. Chama-se a atenção para o facto de que até á época medieval e inclusive, os altares principais ou capelas-mor dos templos eram sempre orientados na direção do oriente, e isso nota-se nos templos mais antigos de Loriga, como era o caso desta antiga ermida de Santo António, como é o caso da Igreja Matriz (século XIII), e da ainda mais antiga ermida visigótica de São Gens atualmente dedicada a Nossa Senhora do Carmo.


Esta é uma citação livre do historiador António Conde e de extratos da sua obra, História concisa da vila de Loriga - Das origens à extinção do município, e do artigo sobre Loriga que ele criou na Wikipédia.

História de Loriga - Extratos da obra do historiador António Conde, "História concisa da vila de Loriga - Das origens à extinção do município".

( Apontamento conciso sobre a história da vila de Loriga )

Loriga@site2002

Imagem de Nossa Senhora da Guia, padroeira dos emigrantes de Loriga, exibindo a estrela, um dos símbolos maiores desta vila e que também por isso está no brasão de Loriga. A padroeira de Loriga e dos loriguenses é Santa Maria Maior, e por isso é o orago da igreja matriz e da paróquia desde o século XIII.

LORIGA - INSTITUIÇÕES E ASSOCIAÇÕES DE LORIGA

INSTITUIÇÕES E ASSOCIAÇÕES LORIGUENSES

Algumas das instituições e associações mais emblemáticas de Loriga

Bombeiros Voluntários de Loriga

A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Loriga,é uma das mais prestigiadas e importantes associações loricenses. Fundada em 16 de Abril de 1982, a sua criação veio satisfazer uma necessidade há muito sentida nesta vila industrial, assim como numa região como é a de Loriga.

Sociedade Recreativa e Musical Loriguense

Esta prestigiada associação loricense, é uma das que mais tem contribuído para, através de música da mais alta qualidade, interpretada pela sua Banda Filarmónica, levar o nome de Loriga e a rica cultura loricense a todo o país e ao estrangeiro.

Fundada em 1 de Julho de 1905, esta associação tem a sua sede num solar do século XIX, o Solar dos Mendes.

Escola C+S de Loriga

As origens da Escola C+S de Loriga remontam a 1968 com a criação da então chamada Escola Preparatória. A sua sede funcionou no Solar dos Mendes, local onde estavam também a maioria das salas de aulas,e as instalações eram complementadas pelo antigo edifício da Escola Primária, onde hoje é a sede da autarquia. As instalações foram sempre precárias e insuficientes. Entretanto a escola foi reclassificada, tendo sido montados pavilhões pré-fabricados para albergar os alunos que consequentemente aumentaram de número, mas as instalações continuavam insuficientes e cada vêz mais degradadas. O desejo de instalações próprias e condignas, existente desde 1968,fazia-se sentir com mais intensidade. Em Novembro de 1996, foi finalmente inaugurado um edifício novo e emblemático da nova Escola Reis Leitão, instalações cujo único defeito é não possuírem pavilhão gimnodesportivo.

Centro de Assistência Paroquial de Loriga

O Centro de Assistência Paroquial de Loriga,fundado em 25 de Julho de 1952, presta relevantes serviços no apoio social, à infância e à terceira idade. Pertencem a esta instituição, a creche, o infantário, e o lar de idosos da Casa de Repouso de Nossa Senhora da Guia.

Associação Loriguense de Apoio à Terceira Idade

A Associação Loriguense de Apoio à Terceira Idade foi fundada em 12 de Julho de 1990, e tal como o nome indica, destina-se essencialmente ao apoio aos idosos, principalmente aos mais desfavorecidos. Possui um centro de dia no centro histórico da vila, e presta apoio domiciliário.

Grupo Desportivo Loriguense

O Grupo Desportivo Loricense foi fundado em 8 de Abril de 1934, transformando-se rápidamente numa importante e carismática associação desportiva, mas também cultural.

Associação dos Naturais e Amigos de Loriga

Esta prestigiada associação foi fundada em 1987 por loriguenses dos tais que, por conta própria ou dentro de qualquer instituição ou associação loricense, trabalham incansavelmente para promover a sua terra-natal e contribuir para a resolução dos poblemas que a afectam. Loriga deve muito a estes loriguenses que, embora não residam na vila, têm lá os seus corações e as suas almas, aqueles que desenvolvem permanentemente um imenso trabalho pessoal ou colectivo (conforme a opção) pela terra que os viu nascer. A A.N.A.L.O.R publica um jornal, o Garganta de Loriga, que é um importante meio de comunicação entre os loriguenses espalhados pelo país e pelo mundo. Através dos artigos de António Conde, um conhecido historiador e benfeitor de Loriga, publicados nesse jornal, os loricenses acordaram para o conhecimento da sua história mais remota. Aliás, Loriga e a sua história têm sido divulgadas pelo Sr. Conde através dos mais diversos meios de comunicação portugueses e estrangeiros e nos mais diversos sites, desde a Wikipédia (onde ele criou o artigo sobre Loriga em português e em inglês) até sites de grande nível cultural. Durante mais de trinta anos, o Sr. António Conde fez uma pesquisa minuciosa sobre a história antiga da vila de Loriga, percorrendo arquivos e recolhendo dados e documentos preciosos que compilou numa obra a que chamou, História Concisa da vila de Loriga - Das origens à extinção do município. No entanto a sua pesquisa tem continuado, acumulando mais dados e documentos sobre a história da vila de Loriga, e tudo foi feito muitas vezes com prejuízo da sua vida pessoal, familiar e financeira, que foram aliás muito prejudicadas, mas tudo foi feito pelo grande amor que este grande loriguense tem à terra que o viu nascer. Mas o maior trabalho deste grande Loriguense em prol da sua terra foi desde sempre a sua documentada e intensa luta pelos interesses de Loriga junto das autoridades competentes, tendo contribuído decisivamente para o desenvolvimento da sua terra. Apesar da ingratidão e dos ataques sofridos, orientados por motivações mesquinhas tais como a inveja e a hipocrisia, e pelas suas posições em relação á vergonhosa questão da heráldica de Loriga ( Clique aqui para ver essa vergonha!!! ) e outras posições deste grande Loriguense em defesa dos interesses e da imagem de Loriga, António Conde nunca parou de fazer um gigantesco trabalho pela sua querida terra natal. 

O brasão de 2002 serve para qualquer localidade serrana habitada por cristãos, ou distinguindo Loriga como única localidade cristã entre as restantes localidades habitadas por hereges, ou ainda como se esta vila fosse uma espécie de Capital da Cristandade ou possuísse um santuário cristão de importância nacional e ou mundial. Os toscos ignorantes incompetentes quiseram retirar as rodas hidráulicas que simbolizam a antiga indústria loriguense, e por terem vergonha do nome da sua terra quiseram substituír a Loriga por uma cruz. Loriga deriva do latim Lorica e é nome de couraça, facto que envergonha os toscos ignorantes incompetentes que estrategicamente e estupidamente quiseram introduzir a religião no assunto para condicionar o pároco local e os mais fervorosos crentes da paróquia, querendo dar a entender que, tal como eles, os católicos loriguenses também têm vergonha do nome da vila. Esse brasão ridículo, que ficou conhecido por Brasão de Vale da Cruz e contribuiu para arrasar a imagem de Loriga, foi uma tosca tentativa de manipulação da fé dos loriguenses com o objetivo de facilitar a sua aprovação, uma estratégia que inevitavelmente correu mal e que é reveladora do caráter do principal responsável por esta vergonhosa questão da heráldica.

O brasão de 2018 serve para qualquer localidade portuguesa onde o milho e o centeio foram a base de alimentação e onde existe ou existiu alguma indústria, portanto serve para muitas dezenas de localidades portuguesas, incluíndo localidades situadas na Serra da Estrela. No entanto como esse brasão ridículo não tem uma estrela nem sequer aponta para uma localidade que está situada na Serra da Estrela, portanto a abrangência é muito maior. Loriga é uma estrela no coração da Serra da Estrela onde é uma das principais e mais antigas localidades, em cujo território está instalada a única estância de esqui existente em Portugal, etc, no entanto os toscos ignorantes quiseram retirar a estrela do brasão, o que confirma a sua extrema incompetência. Aliás, as principais localidades da Serra da Estrela, e muitas outras menos importantes também situadas nesta bela serra, ostentam com orgulho uma estrela nos respetivos brasões, mas os burros de Loriga quiseram tirar a estrela do brasão desta vila. Será que além de terem vergonha do nome da sua terra também passaram a ter vergonha por Loriga estar situada na Serra da Estrela ??! Tal como se viu em 2002, os toscos ignorantes incompetentes têm vergonha do nome da vila e por isso quiseram tirar a couraça do brasão e quiseram retirar as rodas hidráulicas e introduzir um carreto, demonstrando que continuam a desprezar a história desta vila, não apenas a história mais antiga mas também a história da sua centenária indústria. As primeiras fábricas de Loriga, criadas no século XIX, eram movidas por rodas hidráulicas e por isso foram colocadas duas no brasão e que simbolizam as origens da indústria textil que destacou ainda mais esta vila na região. Loriga tem uma história e uma identidade tão ricas e únicas em Portugal que existem dezenas de peças para colocar no brasão distintivo e bonito desta vila, infelizmente é impossível colocá-las todas até porque não caberiam e as regras da heráldica impôem um limite de número de peças, e aqui é fundamental a competência, o conhecimento da história, e o amor á terra dos autarcas. Esta gente, movida pelo ódio e por outras motivações mesquinhas que sempre colocaram acima da imagem e dos interesses de Loriga, como se tem confirmado em todo este vergonhoso processo, tiveram como primeira preocupação eliminar da heráldica tudo o que fosse da autoria de António Conde, mantendo apenas as cores da bandeira e mesmo essas fizeram questão de as trocar de posição, só para que a bandeira não ficasse exatamente igual á que foi desenhada por este grande Loriguense. Mas não foi apenas na heráldica que quiseram apagar tudo o que recorde a obra de António Conde, fizeram também questão de criar um novo site no qual não colocaram o resumo da história de Loriga da autoria deste grande Loriguense, publicado no site da Junta de Freguesia e que foi publicado também na Wikipedia, no site Terras de Portugal, em muitos e cada vez mais numerosos outros sites, e no site Gentes de Loriga onde sem surpresa foi trocado pelo texto que agora se vê no site do Zeca Maria. No entanto o site da Junta de Freguesia continua online e esses extratos da obra de António Conde sobre a História de Loriga continuam disponíveis para quem quiser ler. Esta atitude desta gente invejosa não é nova e estendeu-se á Wikipedia onde foi colocada a ilustração usada ilegalmente como brasão, que nunca foi brasão mas que passou a ser ali apresentada como brasão legal e oficial de Loriga, tentando impor a mentira como aliás é prática habitual desta gente. Enganando editores o artigo acabou por ser vandalizado e bloqueado, e além da introdução do pseudobrasão foram apagados das fontes todos os links que apontassem para António Conde, autor do artigo, por ele se opor a esta vergonhosa questão da heráldica que há décadas arrasa a imagem de Loriga e dos loriguenses, esses foram aliás os dois principais motivos para a vandalização e bloqueio do artigo. Aliás, até colocaram comentários insultuosos e caluniosos na Wikipédia e no site Terras de Portugal, e não é por acaso que este grande Loriguense, apesar da oferta de várias editoras, ainda não publicou a sua obra chamada História concisa da vila de Loriga - Das origens à extinção do município. Magoado, só não a destruiu porque é valiosa e porque é fruto de três décadas de pesquisa, de muito trabalho, de muito sacrifício de vida pessoal e familiar, e de muita despesa. No entanto essa hipótese não está excluída, e se António Conde se fartar de ser maltratado e decidir destruir a sua obra isso será motivo de júbilo para esta gente, aliás até já lhe disseram que a destruísse e um até sugeriu que a queimasse na fogueira de Natal em Loriga! Ao longo da sua já antiga história a vila de Loriga perdeu muito graças a este tipo de gente que coloca as suas motivações mesquinhas e interesses pessoais acima dos interesses e da imagem da sua terra, é também por isso que Loriga não está melhor, e também por isso que esta vergonhosa questão da heráldica dura há décadas, e que há décadas esta gente luta inutilmente por manter uma ilustração teimosamente usada ilegalmente como brasão, impedem há décadas a competente resolução do problema, prejudicando a imagem de Loriga e a imagem dos loriguenses e maltratando quem se opôe a essa vergonha. A mesma gente que diz defender a ilustração que nunca foi brasão mas que hipocritamente arranjou e ou apoiou os vergonhosos brasões de Vale da Cruz (2002) e do Doutor de Albarda (2018) que envergonham os loriguenses, que ridicularizam Loriga e quem nela nasceu, que não dignificam esta vila e que por isso foram condenados ao lixo. Para esta gente o brasão de Loriga até pode ter um cagalhão fumegante como peça central desde que o brasão seja da autoria de um amigo, e se for o caso até a ilegal ilustração pseudobrasão que dizem defender pode ser substituída que não há problema. Com "loriguenses" destes Loriga não precisa de inimigos, esta gente é mais do que suficiente para prejudicar Loriga, a imagem desta vila e a imagem de quem nela nasceu, como aliás tem feito há décadas, portanto não precisa de usar o populismo para "mobilizar as tropas" contra os propagandeados "inimigos" vindos de Seia, contra os "inimigos" partidos políticos por se recusarem a apoiar o Zeca Maria, ou contra quaisquer outros "inimigos", aliás qualquer tipo de populismo precisa de "inimigos" para sobreviver... A imagem da Wikipedia saiu deteriorada, tal como a imagem desta gente invejosa que provocou essa deterioração, e a credibilidade e a imagem de António Conde saíram reforçadas porque, além de esta gente ter sido desmascarada foi sempre mantido o essencial do conteúdo do artigo sobre Loriga que ele criou na Wikipédia, conteúdo que continua a ser replicado num número cada vez maior de sites.

Além de os brasões de 2002 e de 2018 não dignificarem esta bela e histórica vila, os loriguenses não gostam desses dois brasões ridículos do Zeca Maria nem se identificam com eles, e nenhuma imposição, ameaça, queixa, sentença, desinformação, mentira, ou qualquer outra estratégia mais ou menos desonesta, alterará esses factos, apenas contribui para aumentar a oposição dos loriguenses. Portanto nenhum desses brasões é ou será o brasão de Loriga, estão condenados ao lixo e os loriguenses não estão condenados a habituarem-se a um brasão que detestam, ao contrário do que dizem e escrevem os mentirosos responsáveis por esta vergonha. O que eles queriam era isso, o facto consumado mas os loriguenses estão cada vez mais informados e acreditam cada vez menos nas suas tretas. Todo o longo historial desta vergonha e do seu principal responsável, o ambiente e as circunstâncias criadas, e consequente forma como os brasões foram aprovados e a rejeição pelos loriguenses, tudo isso facilita ainda mais a futura correção pela Junta de Freguesia desta vergonhosa situação, que aliás podia facilmente ser corrigida mesmo sem esses fatores. Os brasões de 2002 e de 2018 são portanto lixo e apenas os brasões do Zeca Maria e de um pequeno e conhecido grupo que há décadas é responsável pela vergonhosa questão da heráldica que tem arrastado na lama a imagem desta bela e histórica vila, grupo que tem lutado contra a competente resolução do problema, e que inventou e ou apoiou os dois brasões ridículos que envergonham Loriga e os loriguenses. Facto caricato, e que contribui para a oposição dos loriguenses aos dois brasões ridículos do Zeca Maria, é que até a ilustração, usada ilegalmente como brasão, é mais representativa de Loriga do que os brasões do Zeca Maria. Pelo menos nessa ilustração vê-se uma estrela e uma roda hidráulica... Quando existem loriguenses que colocam motivações e interesses mesquinhos pessoais acima dos interesses e da imagem da sua terra o resultado só pode ser mau para Loriga, e infelizmente este vergonhoso caso da heráldica não é caso único na história desta vila. A esmagadora maioria dos loriguenses não gostam dos dois brasões ridículos arranjados pelo Zeca Maria em 2002 e em 2018, respetivamente, ambos condenados ao lixo, e é vergonhoso que esta gente, que finge tanta capacidade e tanto amor á sua terra, ache que um brasão com uma cruz ou um brasão com umas espigas e um carreto sirvam para esta bela e histórica vila. Como se isso não bastasse recusaram propostas e melhores soluções alternativas apenas porque vieram deste grande Loriguense que odeiam, colocando portanto as suas motivações mesquinhas pessoais acima dos interesses e da imagem de Loriga, quem ama a sua terra não age assim. O grande Loriguense António Conde também teria vergonha se como autarca, ou ostentando os títulos de doutor e de historiador, apenas tivesse capacidade para fazer um brasão para Loriga com uma cruz ou um brasão com umas espigas e um carreto, se desconhecesse a história antiga da sua terra e se tivesse vergonha do nome da mesma, e muitos outros loriguenses pensam o mesmo não sendo portanto surpreendente que o autor do brasão das espigas e do carreto tenha recebido de alguém a adequada alcunha de Doutor de Albarda. Em Loriga as alcunhas são tradicionais, existindo vários tipos de alcunhas, que vão do carinhoso ao depreciativo, sendo este o caso e uma forma de os loriguenses mostrarem a sua desaprovação. No entanto se António Conde tivesse sido o autor dos ridículos e insultuosos brasões de Vale da Cruz (2002) e do Doutor de Albarda (2018) os responsáveis por esta vergonha e os seus cúmplices cobririam de insultos e de calúnias (incluíndo na internet) este grande Loriguense, tanto ou ainda mais do que fizeram quando ele disse, e com razão, que a ilustração usada como heráldica pela Junta de Freguesia nada vale como brasão, e se opôs a essas vergonhas. E a propósito dos inúmeros insultos e das inúmeras calúnias de que este grande Loriguense foi alvo, incluindo em publicações na internet, a responsabilidade maior recai sobre aqueles que, estando mais informados, por motivos mesquinhos e interesses pessoais e politicos, fomentaram a desinformação, a mentira e o ódio contra este grande Loriguense, chegando ao ponto de António Conde ser olhado de soslaio e confrontado, inclusive pela sua própria família, na terra que o viu nascer, que ama e pela qual fez muito. Uma situação vergonhosa para Loriga e de dolorosa ingratidão para com António Conde, que entretanto já recebeu pedidos de desculpa da parte de muitos dos que foram enganados, tanto dos que tiveram atitudes menos corretas como daqueles que simplesmente formaram uma opinião negativa acerca deste grande Loriguense. No entanto, as desculpas ainda não foram pedidas pelos que há décadas prejudicam e têm prejudicado a imagem de Loriga e dos loriguenses, e que têm fomentado a desinformação, a mentira, a calúnia, os insultos, que enxovalharam este grande Loriguense na internet e que tudo fizeram e continuam a fazer para denegrirem a imagem de Loriga. E falamos dos responsáveis, entre outras coisas, pela vergonhosa questão da heráldica, e esses mantêm a mesma atitude de sempre, indiferentes aos danos provocados na imagem de Loriga, na imagem dos loriguenses e na imagem da autarquia local.

António Conde - Loriga, Portugal PDF

* História de Loriga, extratos da obra de António Conde no site Loriga Portugal, incluíndo links para diversos sites e ficheiros PDF

História concisa de Loriga, extratos da obra de António Conde no site da Junta de Freguesia de Loriga PDF

* História concisa de Loriga, extratos da obra de António Conde no artigo que ele criou na Wikipedia PDF


História do Brasão de Loriga - Pequeno resumo da verdadeira história do vergonhoso processo PDF


Irmandade do Santíssimo Sacramento e das Almas de Loriga

Esta instituição, de carácter religioso, é histórica e as suas origens mais remotas encontram-se no século XIV, e desde finais do século XVI que tem o nome e os moldes actuais. Noutros tempos chegou a funcionar como se fosse a Santa Casa da Misericórdia de Loriga, embora nunca tivesse esse nome.

Centro Loriguense de Belém do Pará

Esta foi a primeira associação loricense criada fora de Loriga,e foi também a primeira a ser criada no estrangeiro. Foi fundada em 4 de Julho de 1937 no seio da importante colónia loricense, que desde o século XIX existia em Belém, mas também em Manaos, havendo também loricenses noutras partes do Brasil desde o século XVII. Aliás foi a colónia de Manaos que construíu os monumentais fontanários que podem admirar-se na vila.

Brasão de Loriga - Heráldica da vila

Heráldica de Loriga - Resumo do significado

Brasão: Escudo azul, couraça (Lorica/Loriga) de vermelho ornada de prata ladeada por duas rodas hidráulicas de negro em fundo de prata, e em chefe uma estrela de ouro; em campanha, monte de dois cômoros de prata, movente dos flancos e da ponta, carregado de uma gémina ondada de azul. Coroa mural de prata de quatro torres. Listel de prata com a legenda a negro "LORIGA".

Bandeira da vila de Loriga

Bandeira: Esquartelada a azul e branco. Cordão e borlas de ouro. Haste e lança de ouro.

Selo: Redondo,contendo no seu interior os mesmos símbolos do brasão, e com a legenda: «Loriga»

Os loriguenses orgulham-se da história da sua terra, orgulham-se do nome bonito, antigo e histórico da sua terra, único em Portugal, orgulham-se por esta vila ser uma estrela na Serra da Estrela e orgulham-se das antigas origens da indústria em Loriga. Por isso o brasão desta vila tem uma Loriga, tem uma estrela de ouro e tem duas rodas hidraulicas. O plurimilenar nome desta vila significa couraça e deriva do latim Lorica, que tem exatamente o mesmo significado. Os loriguenses têm orgulho do nome da sua terra, e não apenas por ser bonito, antigo, histórico e único em Portugal, e também por isso a Loriga é a peça central e principal do brasão da vila. A vila de Loriga está próxima da Torre, o ponto mais alto no coração da serra na qual e da qual é uma estrela e os loriguenses orgulham-se disso, e também por esses motivos o brasão da vila tem uma estrela de ouro. Loriga é uma vila industrial desde o século XIX, a roda hidráulica era a origem da força motriz das antigas fábricas, e por isso o seu brasão tem duas rodas hidráulicas.

Resumo da simbologia: Como peça central a Lorica/Loriga, antiga couraça guerreira, origem do nome multimilenar, lembra as origens remotas da povoação e a história antiga da vila.

As duas rodas hidráulicas simbolizam a duas vezes centenária indústria loriguense, criada com o engenho das gentes de Loriga e que fizeram a vila destacar-se ainda mais na região. Eram as rodas hidráulicas que moviam as primitivas fábricas instaladas ao longo das duas ribeiras que banham a vila. Esses abundantes recursos hídricos foram também desde tempos mais remotos aproveitados para mover moínhos.

A estrela de ouro simboliza a Serra da Estrela e já existia no antigo brasão da povoação. Pode também simbolizar a vila como uma estrela dentro da Estrela, e o ponto de referência dos inúmeros emigrantes loricenses espalhados pelo mundo.

Os montes na base simbolizam os belos e verdejantes montes, por vezes cobertos de neve, que ladeiam o belíssimo Vale de Loriga e a sua espectacular Garganta de Loriga, uma alusão à bela e singular paisagem.

(Esta heráldica foi desenhada pelo historiador António Conde e aprovada pelas autoridades competentes.)

O antigo brasão de Loriga era constituído por um escudo de azul escuro com uma couraça e uma estrela de sete pontas de ouro, dispostas verticalmente e com a estrela por cima como se exemplifica.

A estrela de ouro de sete pontas é a que historicamente melhor representa esta bela e histórica vila, mas pode ser substituída pela comum estrela de cinco pontas, também de ouro, e isso foi feito no brasão de Loriga. Quem conhece a história e a identidade de Loriga sabe que muitas coisas justificam a existência de uma estrela no brasão da vila, porém a quem não conhece mas tem um QI minimamente aceitável basta dizer que Loriga está localizada no coração da Serra da Estrela na qual e da qual é uma estrela. Quem não tem um QI minimamente aceitável nem sabe o que é a heráldica nem qual é a função da heráldica diz que o brasão de Loriga não precisa da estrela. Dizer que o brasão de Loriga não precisa de ter uma estrela é como dizer que o brasão de Portugal não precisa de ter a esfera armilar porque, como todos sabem que os portugueses são um povo de descobridores não é preciso colocá-la no brasão. Esta "lógica" sem sentido poderia ser aplicada a qualquer das outras peças que integram o brasão de Loriga, e a qualquer importante peça que integre qualquer outro brasão.

Na imagem está a mais conhecida dos vários tipos de couraças usadas pelos soldados e legionários romanos, e que tinham o nome de Lorica. Do latim Lorica derivou Loriga que tem exatamente o mesmo significado, portanto esta vila tem nome de couraça, facto que envergonha alguns "loriguenses" que infelizmente nasceram nesta vila. Sublinha-se o facto de o nome latino Lorica só ter caído totalmente em desuso durante a primeira metade do século XIII, passando então a ser usada exclusivamente a derivação do latim, ou seja Loriga. A Loriga é considerada uma peça heráldica "falante", e fundamental no brasão desta vila porque "fala" do nome antigo, único em Portugal, das antigas origens da povoação, da história antiga e da identidade de Loriga. A riqueza histórica de Loriga é tão grande e única em Portugal que existem dezenas de peças á escolha para colocar no brasão distintivo desta vila, porém nem cruzes, nem carretos, nem espigas estão incluídos, e a couraça, a estrela e a roda hidráulica são três peças essenciais no brasão de Loriga. A origem do nome desta vila explica o uso do gentílico Loricense para designar os seus naturais.  

Nesta foto de Loriga pode ver-se uma das antigas fábricas de lanifícios fundadas no século XIX e na qual ainda pode admirar-se a roda hidráulica, a origem de toda a força motriz. Esta, e apenas esta, é a roda que tem que estar no brasão de Loriga, e tem que ser esta porque esta simboliza as origens da indústria em Loriga no século XIX, assim como a história de uma atividade que fez esta vila destacar-se ainda mais na região. Portanto qualquer outro tipo de roda, ainda que ligado á indústria, tornaria o brasão de Loriga mais pobre e incompleto. Todas as fábricas de então tinham uma roda como esta e era a água das ribeiras que fazia mover estas rodas, movimento que era transmitido á diversa maquinaria então existente. O fundo de prata por detrás das duas rodas hidráulicas existentes no brasão simboliza as águas cristalinas de Loriga.

Imagem de Nossa Senhora da Guia, padroeira dos emigrantes de Loriga, exibindo a estrela, um dos símbolos maiores desta vila e que também por isso está no brasão de Loriga. A padroeira de Loriga e dos loriguenses é Santa Maria Maior, e por isso é o orago da igreja matriz e da paróquia desde o século XIII. 

Brasão oficial e algumas das outras principais propostas de brasão desenhadas pelo historiador António Conde, tal como o brasão oficial, existindo outras propostas e também aprovadas pelas autoridades competentes. O importante é a simbologia, independentemente das cores das peças e da arrumação no brasão. 

Freguesias da Região de Loriga [área do antigo Município Loriguense]

As seis freguesias que rodeiam Loriga, que fazem parte da Associação de Freguesias da Serra da Estrela,com sede nesta vila, e que outrora fizeram parte do Município Loricense. 

Alvoco da Serra

Alvoco da Serra é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 37,57 km² de área e 646 habitantes (2001). Densidade: 17,2 hab/km².

A freguesia é constituída por cinco localidades: Alvoco da Serra (sede da freguesia), Outeiro da Vinha, Vasco Esteves de Baixo, Vasco Esteves de Cima e Aguincho.

Alvoco da Serra recebeu foral de D. Manuel I em 17 de Fevereiro de 1514, data em que deixou de pertencer ao concelho de Loriga. Foi vila e sede de concelho entre esta data e 1828, ano em que o concelho foi extinto. Tinha, em 1801, 667 habitantes. Entre 1828 e 1855 pertenceu novamente ao concelho de Loriga, após o que passou a integrar o concelho de Seia.

Cabeça

Cabeça é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 8,55 km² de área e 229 habitantes (2001). Densidade: 26,8 hab/km². Durante muitos anos foi conhecida como São Romão de Cabeça. Até ao século XIX pertenceu ao concelho, à paróquia e à freguesia de Loriga. A sua população vive em grande parte da agricultura e da pastorícia.

António de Almeida Santos, ministro em vários Governos, ex-presidente da Assembleia da República, filho de uma loricense, nasceu em Cabeça, numa época em que a sua mãe dava aulas na escola primária local.

Sazes da Beira

Sazes da Beira é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 6,39 km² de área e 341 habitantes (2001). Densidade: 53,4 hab/km².

A primeira fixação definitiva deu-se (supõe-se) no século XV, no lugar chamado de "Sazes Velho".

Em 1527 tinha a aldeia 65 pessoas. No entanto e continuando à procura de proximidade da água levou à fundação do que é hoje a aldeia de Sazes da Beira propriamente dita. Não se sabe a data da fundação da sua freguesia/paróquia, mas sabe-se que foi no início do século XVIII.Em 1731 é edificada a sua Igreja Matriz.

Desde a sua fundação, Sazes pertenceu sempre ao concelho de Sandomil até à extinção deste em 1836, data em que passou a pertencer ao município de Loriga. No meio de todas as remodelações administrativas sofridas (em que Sandomil esteve prestes a pertencer ao concelho de Loriga), a freguesia de Sazes (correspondente a todo o território da sua paróquia) pertenceu ao concelho de Loriga até 1855, data em que este foi extinto.

Teixeira

Teixeira é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 12,88 km² de área e 233 habitantes (2001). Densidade: 18,1 hab/km².

Pertenceu ao concelho de Loriga até 1514 data em que Alvoco da Serra recebeu foral de D. Manuel I, passando depois a fazer parte da paróquia de Vide no início do século XVII.

Voltou a ser incluída no município de Loriga, com a reinclusão plena de Vide em 1834, e até 1855, no concelho de Loriga. Passa então para o concelho de Seia ao qual pertence actualmente.

Valezim

Valezim é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 10,94 km² de área, 382 habitantes (2001) e densidade populacional de 34,9 hab/km².

A hipótese mais aceite é que o nome provém de vallecinus (palavra do latim para vale pequeno). Curiosamente, uma antiga lenda sobre a origem do nome de Valezim nasceu de um facto histórico real relacionado com Loriga. Diz a lenda: "Tendo sido expulsos de Loriga, os mouros chegaram àquele vale e exclamaram: Neste vale sim! As duas palavras foram unidas dando origem ao nome Valesim." De facto os mouros foram expulsos de Loriga, mas não falavam português.

As principais actividades económicas da população estão ligadas à agricultura e pastorícia, turismo de habitação e à construcção civil.

O seu primeiro foral é atribuído em 1201, por D. João de Foyle. Em 1514 é renovado por D. Manuel I, e passa constituir um concelho formado apenas pela freguesia da sede. Entre os anos de 1836 e 1855 pertenceu ao concelho de Loriga.

Nessa data foi integrado no concelho de Seia, onde pertence.

A sua maior festividade é em honra de Nossa Senhora da Saúde, realizada anualmente, no primeiro Domingo de Setembro.

Vide

Vide é uma freguesia portuguesa da Região de Loriga, com 51,25 km² de área e 843 habitantes (2001), com uma densidade populacional de 16,4 hab/km².

Está situada na zona centro do país, no Parque Natural da Serra da Estrela, a uma distância de 25 Km da Torre.

A freguesia engloba as seguintes e pequenas povoações anexas: Abitureira, Baiol, Balocas, Baloquinhas, Barreira, Barriosa, Barroco da Malhada, Borracheiras, Carvalhinho, Casal do Rei, Casas Figueiras, Cide, Chão Cimeiro, Coucedeira, Costeiras, Fontes do Cide, Foz da Rigueira, Foz do Vale, Frádigas, Gondufo, Lamigueiras, Malhada das Cilhas, Monteiros, Muro, Obra, Outeiro, Ribeira, Rodeado, Sarnadinha, Silvadal e Vale do Cide.

Pertenceu ao concelho de Loriga até ao início do século XVII, época em que recebeu alguma autonomia como paróquia mas sem que isso se tivesse traduzido num foral, da forma como é entendido, portanto nunca teve categoria de vila como Loriga, Valezim e Alvoco, e isso traduz-se no seu brasão. Essa situação ambígua de autonomia durou até 1834, tendo nessa época passado a pertencer novamente e plenamente ao município loriguense até 1855, ano em que foi integrada no concelho de Seia. Em 1801 era constituída apenas pela freguesia da sede e tinha 750 habitantes.

Últimos estudos, levados a cabo em 2002, confirmam que o povoamento do Vale de Loriga em cujo extremo se encontra Vide, remonta aos finais do Paleolítico Superior.

Entre as zonas de Entre-águas e de Ferradurras, nesta freguesia, há alguns núcleos rochosos que possuem várias inscrições rupestres, os maiores descobertos até agora, que foram objecto de estudo por parte da Associação Portuguesa de Investigação Arqueológica, e que segundo os traços gerais apresentados, pertencem à Idade do Bronze. A aldeia da Vide tem vários acessos sendo os principais a EN 230, que vem de Oliveira do Hospital, e a EN 238, na Portela de Loriga, cruzamento com a EN 231 que liga Loriga a Seia.

LORIGA - TERRA DE VIRIATO - Viriathus was born in Loriga

VIRIATO

"...Sucedeu o pastor Viriato, natural de Lobriga, hoje a vila de Loriga, no cimo na Serra da Estrela, Bispado de Coimbra; Ao qual, tendo quarenta anos de idade, aclamaram Rei dos Lusitanos e casou em Évora com uma nobre Senhora, no ano 147.

Prendeu em batalha, ao Pretor romano Caio Vetílio e lhe degolou 4000 soldados; A Caio Lucitor, daí a uns dias, matou 6000. Ao capitão Caio Plaucio , matou Viriato mais de 4000 junto de Toledo. Reforçou-se o dito capitão, e dando batalha junto de Évora, prendeu 4000 soldados.

No ano 146, o Pretor Cláudio Unimano lhe deu batalha e de todo foi destruído por Viriato, que repartiu os despojos pelos soldados, pondo nos montes mais altos da Lusitânia, os estendartes romanos..."

(Página do livro manuscrito História da Lusitânia, do Bispo Mor do Reino, 1580, "traduzida" do português arcaico para o actual). Entre os diversos documentos que falam de Loriga como berço de Viriato, este é o mais curioso.

____________________________________________________________________________________________________________

-Algumas citações de alguns dos mais importantes antigos historiadores romanos:

*** -"Viriato, um lusitano de nascimento,sendo pastor desde criança nas altas montanhas*, foi para todos os Romanos motivo do maior terror. A princípio armando emboscadas, depois devastando províncias, por último vencendo, pondo em fuga, subjugando exércitos de Pretores, e Cônsules romanos."

(Orósio(5.4.1)

*** -"Viriato,nascido e criado nas mais altas montanhas* da Lusitânia, onde foi pastor desde criança, conseguiu reunir o apoio de todo o seu povo para sacudir o jugo romano e fundar uma grande nação livre na Hispânia"

(Floro(1.33)

*** -"...Este Viriato era originário dos Lusitanos... Sendo pastor desde criança, estava habituado a uma vida dura nas altas montanhas*... Famoso entre as populações, foi por eles escolhido como chefe...

(Diodoro Sículo (33.1.1-4)....

*Hermínius,actual Serra da Estrela

____________________________________________________________________________________________________________

-Todos os grandes historiadores, começando pelos romanos antigos, elogiam as grandes qualidades de Viriato. Nelas se destacam, a inteligência, o humanismo, a capacidade de liderança, e a sua grande visão de estratega militar e político. A este grande homem, que liderou os Lusitanos, antepassados dos portugueses, os romanos só conseguiram vencer recorrendo à vergonhosa traição cobarde. Este homem, tal como outros que ficaram na história, tinha origens humildes, provando-se na época, tal como hoje, que as capacidades individuais não dependem do estrato social, nem das habilitações académicas. Apesar das inúmeras lições da história em sentido contrário, alguns pseudointelectuais e pseudohistoriadores "elitistas" e preconceituosos continuam a achar que é improvável que alguém com origens humildes se torne uma grande figura histórica, e então inventaram teorias ridículas no sentido de atribuír "sangue azul" e origens "nobres" a Viriato. Viriato, era apenas um pastor, habituado desde criança a percorrer as montanhas dos Herminios (actual Serra da Estrela), onde nasceu, e que conhecia como as palmas das suas mãos, inclusivé as povoações lusitanas da serra. A Lobriga, sua provável terra-natal, um povoado fortificado situado estratégicamente próximo do ponto mais alto da serra, os romanos puseram o nome de Lorica (antiga couraça guerreira).

_____________________________________________________________________________________________________________

VIRIATHUS WAS BORN IN LORIGA

In 147 b.C., thousands of Lusitanian warriors found themselves surrounded by the military forces of magistrate Caio Vetílio. At first this seemed like just another Roman attempt to seize the Iberian Península in the on going war in which the Roman Republic had led for years. But pursued by the enemy, the Lusitanians elect one of their own and hand him absolute power. Born in Lobriga, Lusitania, Lorica for the Romans, current Loriga in Portugal, this man, who for seven will taunt the Romans, is called Viriathus.

Between 147 and 139, the year in which he was killed (murder by Romans, he was assassinated while sleeping), Viriathus successively defeated Roman armies, led a greater part of the iberian peoples into revolt and was responsible for the beginning of the war of Numância. After the murder, the Lusitanian guerrilla was continued to resist, "the women boke arms with the men, who died wiht a will,not a man of them showing his back,or uttering a cry. Of the women who were captured some killed themselves, others slew their children also with their own hands, considering death preferable to captivity".

Viriathus, is considered the first Lusian figure, and also national hero in Portugal. It was born without a doubt in the Hermínius, current Serra da Estrela, wehere he was shepherd since child, more precisely in Lobriga, Lorica for the Romans,current Loriga, in Portugal.

Viriathus, was praised had to is great qualities human beings, and of great strategist to military and diplomat, inclusively for the old Romans historians. Viriathus, proved that at the time, such as today, the individual capacities do not depend on the social estratum nor of the academical qualifications. Viriathus,was only one shepherd, accustomed since child to cover mountains of the heart of the Lusitania. Roman, the superpower of the time, only obtained to arrange away it to win,resort to the shameful and dishonourable treason coward! Curiously, it was after an act of high treason of the part of the Romans, wich cost the life the thousand of disarmed Lusitanians, that Viriathus was elect to leader for is compatriots.

Viriathus, leader that it directed with effectiveness the resistence of the Lusitanians, ancestors of the Portugueses, against a powerful invader, is considered since its time an example to follow. Viriathus, was a true military genious, politician and diplomat. But, moreover, he was the defender of a world asphyxiated by the great Roman dominion. The world in which he very roots of Portugal are implanted.

Viriathus, is a real portuguese national hero.

____________________________________________________________________________________________________________

LORIGA

Loriga is an ancient, beautiful and historic portuguese town, located in the Serra da Estrela mountains.

Known as Lobriga by the Lusitanians and Lorica by the Romans, it is more than 2600 years old.

Notable people from Loriga include Viriathus ( known as Viriato in Portuguese ), a famous Lusitanian leader and portuguese national hero.

Loriga as enormous touristics potentialities and they are the only ski resort and ski trails existing in Portugal ( Loriga is the Lusian Capital and the capital of the snow in Portugal ).

Loriga is a town in Portugal located in Seia Municipality, Guarda District. Loriga is 20 km away from Seia, 40 km away from Viseu, 80 km away from Guarda and 320 km from Lisbon. It is nestled in the Serra da Estrela mountain range. The population is 789 (2015 estimate). It is known as the "Portuguese Switzerland" due to its landscape: a town surrounded by mountains.

Known to be settled by the Lusitanians, the town is more than 2600 years old and was part of the Roman province of Lusitania. It was known as Lobriga by the Lusitanians and Lorica by the Romans.

Loriga became a textile manufacturing center in the begin-19th century. While that industry has since dissipated, today the town attracts a sizable tourist trade due to its picturesque scenery and vicinity to the Loriga Ski Resort, the only ski center in Portugal, totally inside the town limits.

( By the historian António Conde )

Pelo historiador António Conde - Loriga. Extratos da sua obra "História concisa da vila de Loriga - Das origens à extinção do município", fruto de mais de trinta anos de pesquisa que tem sido sempre contínua.

By historian António Conde - Loriga. Excerpts from his work "Concise History of the Town of Loriga - From Origins to the extinction of the municipality ", the result of more than thirty years of research that has always been continuous, and Loriga on Wikipedia - Article created by the historian António Conde .

_______________________________________________________________________________________________________________

HOMENAGEM

Homenagem a António Conde - Gratidão e reconhecimento de Loriga e dos loriguenses!!

O Sr. Conde, de uma forma discreta, já que a promoção pessoal nunca foi o seu objectivo, tem dedicado grande parte do seu tempo ao estudo e investigação da história, à defesa do património e do desenvolvimento, e à divulgação da vila de Loriga. Uma pequena parte do resultado do seu estudo sobre a história da vila de Loriga foi já publicada no jornal Garganta de Loriga e em outra imprensa local, regional, nacional e internacional. Essa pequena parte da sua pesquisa está disponível em inúmeros sites e outras publicações sobre Loriga ( com ou sem referências ao seu nome ), de diversos autores, e é conhecida dos loriguenses. Estão também disponíveis, nos mais diversos sites ( a Wikipédia é um deles ) e outras publicações, extractos de alguns dos seus artigos publicados ( com ou sem referências ao seu nome ). A propósito de Wikipédia, o Sr. Conde é o autor dos artigos sobre Loriga, em português e em inglês, existentes naquela "enciclopédia", artigos entretanto vandalizados com o apoio dos autarcas "loriguenses" para, principalmente e entre outras coisas, introduzirem uma ilegal aberração heráldica usada formalmente como brasão pela autarquia, que nunca foi, não é nem jamais poderá ser o brasão de Loriga, e tentarem apagar o rasto do autor dos artigos por ele se opor a essa ilegalidade. Entretanto, quando o historiador António Conde foi retirado das fontes do artigo, os vândalos foram desafiados e há muito tempo a provarem a origem dos dados históricos presentes no artigo, e que hipocritamente não apagaram, e de forma hilariante e contraditória dizem que não são credíveis e que não foi o historiador António Conde que os pesquisou. Mas, apesar de não os acharem credíveis não os apagaram, foi um qualquer editor "fantasma" que os pesquisou e colocou no artigo, e óbviamente nunca provaram a origem dos dados nem podem fazê-lo porque foi o historiador António Conde, autor do artigo, quem os pesquisou e colocou, ao contrário do que é dito pelos vândalos e por quem eles promovem de forma ilegítima, incluíndo o ladrão de créditos sem caráter, conhecido por Fariseu Alemão, cúmplice na vergonhosa questão da heráldica que tem arrasado a imagem de Loriga, e que por isso passaram a incluir nas fontes do artigo. Artigo que passou a estar constantemente e cobardemente bloqueado porque, sem surpresa, os vândalos têm medo da verdade. Se os dados são credíveis e não foi o historiador António Conde que os pesquisou quem fez a pesquisa coloque as fontes no artigo, e já agora retirem das fontes quem não tem nada a ver com o artigo, e se os dados não são credíveis apaguem-nos. Os extratos da obra do historiador António Conde que ele colocou nos artigos que criou na Wikipédia, e outros, estão disponíveis em muitos outros sites incluíndo este, no site Terras de Portugal, no site da Junta de Freguesia de Loriga e até no site erradamente atribuído ao referido Fariseu Alemão que sem surpresa não indicou o autor. São também conhecidas, e tendo em vista exclusivamente os objectivos referidos, as suas sempre assumidas iniciativas, nos poderes públicos, entidades oficiais, imprensa regional e nacional, e estações de televisão portuguesas e estrangeiras. É um loriguense sempre atento a tudo que se passa na sua terra-natal, à qual o prendem fortes raízes. O seu trabalho tem sido de grande importância para a resolução dos principais problemas da vila de Loriga, para o conhecimento da sua história, e para a sua divulgação, dentro e fora de Portugal. O seu trabalho foi, e tem sido fundamental, para tirar Loriga da sombra em que esteve mergulhada, dando-a a conhecer a Portugal e a todo o mundo. A propósito dos principais problemas da vila, destaca-se, por exemplo, a sua decisiva intervenção em casos ( alguns infelizmente ainda não concluídos ) tais como: Conclusão da EN 338 ( conhecida localmente por Estrada de S.Bento ), construção do novo edifício da Escola C+S de Loriga, reparação da EN 231, construção do quartel dos Bombeiros Voluntários de Loriga, classificação do património histórico, ordenamento dos símbolos heráldicos da vila, etc. O Sr. Conde não se tem preocupado apenas com a vila, mas também com a Região de Loriga, ou seja, com as outras seis freguesias cujas àreas pertenciam ao antigo Município de Loriga. É uma região com uma identidade própria, a preservar e desenvolver, e que ele tem defendido e divulgado como tal. Aliás, o Sr. Conde é um homem de grande cultura, com um QI acima da média ( superior a 147 ), e com grandes e diversificadas capacidades, e como tal o trabalho pela sua terra-natal e pela sua região, é apenas uma parte dos seus interesses e actividades. Há mais de trinta anos que o historiador António Conde tem feito uma pesquisa minuciosa sobre a história antiga da vila de Loriga, percorrendo arquivos e recolhendo dados e documentos preciosos que compilou numa obra a que chamou História Concisa da vila de Loriga - Das origens à extinção do município. No entanto a sua pesquisa tem continuado, acumulando mais dados e documentos sobre a história da vila de Loriga.

----------------------------------

EXTRATOS DE ALGUNS DOS TESTEMUNHOS MAIS SIGNIFICATIVOS:

"Já todos nos habituámos à regular colaboração do nosso conterrâneo António Conde. São homens como ele que alimentam a curiosidade e o interesse sobre as problemáticas locais e sobre a imprensa regional... ...Este loriguense é um homem preocupado com a terra que o viu nascer, à qual o prendem fortes raízes. No entanto, pela sensibilidade com que escreve, pelos apelos que faz à unidade loriguense, António Conde tem revelado, ao longo dos anos que vem mantendo colaboração no jornal, um pensamento coerente e linear. Concorde-se ou não com o acentuado sentido crítico que empresta aos seus artigos, nomeadamente na sua crónica "Quo vádis Lorica", o facto é que António Conde não se limita a falar dos problemas, mas aponta soluções. Por isso, a redacção do "GL" considera-o um loriguense de causas. ...Digam lá se o exemplo de António Conde não é de seguir. Este loriguense, para além de reclamar junto dos poderes públicos para a resolução dos problemas de Loriga, não guarda para si a informação recebida, antes a envia ao "GL", para que todos a conheçam. Preto no branco, com cópias dos ofícios e tudo. Assim é que é! Obrigado António Conde, pela consideração que tem pelo "GL", pela ANALOR, e por Loriga."

( In jornal Garganta de Loriga ( GL ), Maio de 2002 )

"Dizer Bem - Promover Loriga

Há coisas e situações que, no dia-a-dia, merecem que as olhemos de forma positiva. António Conde, homem de grande cultura, homem de grandes convicções e princípios, e muito ligado às chamadas "novas tecnologias", é o principal responsável pela divulgação de Loriga e da sua história, e um dos principais responsáveis pela resolução dos principais problemas da vila. O Sr. Conde é hoje muito diferente do homem que deixou a sua querida terra-natal há vinte anos, e mesmo quando residia na sua vila de Loriga, já era muito mais do que muitos dos seus conterrâneos pensavam ou ainda pensam dele! Embora alguns seus conterrâneos tenham dificuldade em aceitar, por incredulidade, inveja ou má-fé, a realidade é que Loriga deve muito a este seu filho que, ao contrário de outros por aí que fizeram muito menos, ou não fizeram nada pela sua terra, não procura publicidade nem notoriedade. Por exemplo, não existe nenhum site assinado com o seu nome, mas a maioria dos sites a nível nacional e internacional que falam de Loriga e da sua história ( e já são muitos ) fazem-no graças à pesquisa e à divulgação do Sr. Conde. Sem a acção do Sr.Conde, a vila de Loriga não seria o que é, não seria tão conhecida, e a sua verdadeira história e do seu património ainda estariam na penumbra. Ninguém conseguiu mais para a sua terra-natal que o Sr. Conde, especialmente nos últimos 17 ou 18 anos!"

( In blog Dizer Bem, artigo escrito por: Jorge Andrade em 20 de Julho de 2006. 10:49 PM )

----------------------------------------

"Loriga a concelho

Loriga, vila e sede de concelho desde o século XII, pagou caro pelo apoio dado aos "absolutistas" contra os "liberais". Numa época em que a consciência democrática era inexistente, havia retaliações para quem tinha ideias diferentes das de quem detinha o poder. Em tais circunstâncias, há sempre quem queira beneficiar do mal alheio e, para tal, ajude a provocar a precipitação dos acontecimentos. O concelho de Loriga foi extinto pela vingança politica e pelos interesses expansionistas de quem beneficiou com o facto. Uma completa injustiça! Passados cento e quarenta e dois anos, a vila e a Região de Loriga, continuam "a cumprir a pena à qual foram condenadas", como se estivessem a pagar juros. De vez em quando, como acontece actualmente, a "pena" é aliviada e surge algum progresso mas, a história diz-nos que esta é uma situação rara. A realidade local confirma-o. O concelho de Loriga, incluia mais de trinta povoações, entre freguesias e suas anexas, e algumas estão agora a quarenta quilómetros da actual sede de municipio. A vila de Loriga está a vinte quilómetros. Se o concelho de Loriga não for restaurado a curto prazo, daqui a poucas décadas a região estará repleta de aldeias fantasmas, e a vila de Loriga estará pouco melhor. Fala-se muito no caso de Vizela mas, o caso de Loriga é mais grave, embora não seja tão mediatizado, e é de resolução mais urgente. Não se fala de um Movimento para a Restauração do Concelho de Loriga, nos jornais, nas rádios nem nas televisões mas, em nome de toda a lógica administrativa, democrática e politica, o problema tem que ser resolvido. Só assim a região de Loriga terá futuro.

António Conde"

( In jornal Correio da Manhã, de 28 de Agosto de 1997 )

[ Nota: A "reforma administrativa" de 2013, das freguesias, foi feita exatamente com os mesmos erros da que foi efetuada no século XIX, apesar de ter sido feita no século XXI. Ficou demonstrado que os politicos e a sua forma de atuar ( tão caricaturados por grandes escritores do século XIX ) não mudou nos últimos duzentos anos. Apesar dos discursos hipócritas e demagógicos em sentido contrário, os politicos dos sucessivos governos continuam empenhados em acelerar a desertificação do interior de Portugal e estão a conseguí-lo de uma forma eficaz. ]

"Loriga a concelho

Já tinha lido há algum tempo no Correio da Manhã, este artigo de António Conde, nosso conterrâneo e colaborador deste jornal, acerca da extinção do concelho de Loriga, causas e consequências. O texto, que eu, com a devida vénia, transcrevo para "este espaço", está à vossa disposição na internet, na "Home Page" da vila de Loriga, e em https://www.terravista.pt/Meco/1087. E foi daí que o tirei. Como adenda, aproveito para juntar alguns números, resultantes das últimas eleicões autárquicas, para assim se compreender melhor o artigo.

Assim:

O concelho de Seia, com uma àrea de 448km2, é o 6º maior do Distrito da Guarda ( que tem 14 ). Com 29 freguesias e uma população de 29990 habitantes e 26683 eleitores. É o mais populoso, logo a seguir à Guarda! Em termos de comparação, temos Sabugal com 40 freguesias e dezenas de anexas, numa àrea de 827 km2 para 16320 habitantes. O concelho de Manteigas é o mais pequeno do Distrito da Guarda, com uma àrea de 112 km2, 3 freguesias e 3758 eleitores. Agrupando as localidades desde o rio Alva, excluíndo Lapa e Vila Cova, até às Pedras Lavradas,temos: Valezim, Sazes, Sandomil, Cabeça, Alvoco, Teixeira, e Vide. A estas freguesias há ainda a acrescentar as anexas, que só Vide tem 28! Este conjunto de freguesias que formariam o concelho de Loriga, somam entre si um número de eleitores superior a 6500, o que nos colocaria à frente de 78 municípios com uma população e número de eleitores mais pequena que a nossa! Como disse, ficam aqui dados concretos para a discussão, agora que se fala tanto em novos concelhos, descentralização e regionalização... Vamos a isso!?"

( In jornal Garganta de Loriga, em Junho de 1998 )

Um grande Loriguense

A divulgação de Loriga e da sua história, que ele pesquisou como ninguém, tem estado sempre na agenda do senhor António Conde. O senhor António Conde desenvolveu e tem desenvolvido um enorme e meritório trabalho no sentido do desenvolvimento e divulgação da sua terra, incluíndo a concretização das grandes obras realizadas em Loriga. Esse trabalho está fortemente documentado, sendo que uma pequena parte dessa extensa documentação ( cópias ) foi enviada á ANALOR, tendo sido alvo de grandes elogios públicos no jornal Garganta de Loriga, numa época em que o senhor António Conde era colaborador do referido jornal.

O senhor António Conde desenvolveu e tem desenvolvido um enorme e meritório trabalho no sentido do desenvolvimento e divulgação da sua terra, incluíndo a concretização das grandes obras realizadas em Loriga. Foi o senhor António Conde que tornou conhecido e famoso o "barracão de madeira sede dos BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE LORIGA", e que chegou a ser alvo de anedotas pelos Parodiantes de Lisboa. A estratégia do senhor Conde era ridicularizar a inação das entidades competentes, começando pela Câmara Municipal de Seia, e resultou com a transferência da sede dos bombeiros para o edificio destinado ao mercado da vila. Mas a luta do senhor António Conde continuou e só terminou quando foi concretizado o seu objetivo, a construção de um quartel. Além do quartel dos Bombeiros de Loriga, o senhor António Conde envolveu-se também decisivamente nos casos da Estrada de São Bento ( EN 338 ), da nova Escola C+S ( EB3 Reis Leitão ), da reparação da EN 231, na regularização e legalização da heráldica da vila, etc, etc. Esse trabalho está fortemente documentado, sendo que uma pequena parte dessa extensa documentação ( cópias ) foi enviada á ANALOR, tendo sido alvo de grandes elogios públicos no jornal Garganta de Loriga, numa época em que o senhor António Conde era colaborador do referido jornal. A divulgação de Loriga e da sua história, que ele pesquisou como ninguém, tem estado sempre na agenda do senhor António Conde.

[ Nota à parte: Se o senhor Conde fosse um loriguense insignificante e ou sem carácter, faria o mesmo de outros que nada de relevante fazem ou fizeram, além de se auto-promoverem por aí à custa de Loriga, e que estão num patamar muito inferior ao dele: Preocupava-se apenas com os seus interesses pessoais e com a sua imagem, não se chateava com nada, adoptava a atitude de lambe-botas, de camaleão, de catavento, de não agitação das àguas, no fundo marimbava-se para os problemas da sua terra. Se ele fosse assim, hipócrita e sem caráter, estaria numa posição mais confortável, não teria sido vítima de insultos, de calúnias e até de ameaças, inclusive à integridade física, e seria uma estrela nas feiras de vaidades de Loriga e dos loriguenses. No final do texto sobre a história de Loriga publicado no site da autarquia loriguense estaria escrito "por António Conde" em vez de "por Memória Portuguesa" ! Claro que Loriga não teria conseguido coisas relevantes, não seria tão conhecida, e a vila e os loriguenses seriam um alvo ainda maior de chacota por causa da heráldica e do anedótico brasão escolhido pelo Zeca Maria e acólitos ( Clique aqui para ver essa vergonha!!!!!!! ), mas o Sr. António Conde teria tido a vantagem de não se ter chateado, que é aliás a atitude da esmagadora maioria dos seus conterrâneos. Mas ele é muito superior a isso e seria incapaz de ficar quieto, em suma é um grande Loriguense a quem a sua terra muito deve!!! ]

[ Nota: Infelizmente concretizaram-se as previsões deste grande Loriguense sobre a evolução da situação da vila de Loriga e região envolvente. Entre 1989 e 2015, Loriga perdeu mais de metade da população, e está mais do que na hora de pedir contas áqueles que, por estupidez e ou conveniência ( politica e não só ), desdenharam e criticaram os alertas e as coerentes sugestões de António Conde. No entanto, apesar da situação catastrófica, a estupidez e a incompetência continuam a imperar, e continua o rumo para o abismo, leia-se a desertificação total. ]

Quando o historiador António Conde disse e escreveu que a ilustração usada formalmente como brasão pela autarquia de Loriga é ilegal e não respeita as regras da heráldica portuguesa e apresentou soluções, eis que surgiram as reacções de indignação dos ignorantes, e daqueles que sem carácter se aproveitaram dessa ignorância. Alguns, sabendo que António Conde sempre teve razão promoveram a ignorância e aproveitaram-se da ignorância dos que nada sabem em relação á questão da heráldica e, usando a desinformação, a calúnia, o insulto, e usando todos os meios sujos, envenenaram a opinião pública contra este grande Loriguense. Perante todos, apresentaram António Conde como sendo inimigo de Loriga, mentiroso, desonesto, maldicente, etc, atuação que atingiu contornos gravíssimos porque envolveu gente com responsabilidades autárquicas!! Gente com responsabilidades autárquicas que devia ser a primeira interessada em resolver de forma competente a questão da heráldica, defendendo assim a imagem de Loriga, a imagem dos loriguenses e a imagem da Junta de Freguesia de Loriga, mas em vez disso têm feito exatamente o contrário!! Como se não bastasse esta gente ter usado todos os meios sujos para negar o problema, impedir a sua resolução e desacreditar António Conde, quando começou a ser desmascarada e já não podia esconder a verdade, arranjou dois brasões insultuosos em 2002 e em 2018 respetivamente, indignos desta vila, detestados pelos loriguenses e que confirmam o desprezo que esta gente sempre teve pela imagem de Loriga e pela questão da heráldica!! A sua obrigação seria informar corretamente todos os loriguenses e resolver competentemente o problema, arranjando uma heráldica para Loriga que fosse não apenas legal e oficial mas que também fosse bonita, representativa, distintiva e digna desta bela e histórica vila.

Quando o historiador António Conde escrevia no jornal Garganta de Loriga sobre a história e as origens desta vila, a muito antiga tradição de ter sido berço de Viriato, e sugeriu um evento que comemorasse tudo isso, eis que surgiram as reações de chacota dos toscos invejosos ignorantes. Quando ele escrevia sobre as origens lusitanas, sobre Loriga vila lusitana e sobre Viriato, lá vinham os pseudohistoriadores Doutor de Albarda, o Gaiteiro, e os outros burros tais como o Azeiteiro, e outros toscos ignorantes invejosos que dizem ter passado pelo ensino superior, com os comentários depreciativos. E tal como sempre foi defendido por António Conde eis que finalmente surgiu o evento Loriga Vila Lusitana, e os mesmos que por inveja, ignorância e mau caráter, tentaram ridicularizar António Conde, é vê-los hipocritamente agora a exibirem-se neste evento, com destaque para o Gaiteiro e o Doutor de Albarda, como se fossem os ideólogos, os mentores e os donos do evento!! É sempre bom que as pessoas evoluam e aprendam, mas ficam mal vistas quando não reconhecem que estiveram erradas, que as pessoas que criticaram tinham razão, e quando agora tentam apropriar-se de ideias, que outrora criticaram, como se agora fosse suas. António Conde, em tudo o que tem feito por Loriga, nunca procurou nem quis homenagens nem honrarias, mas apesar disso merece pelo menos que os loriguenses reconheçam o seu mérito. Aliás, António Conde é um homem de ação e não de exibição, sempre detestou feiras de vaidades, e mesmo quando era colaborador do jornal Garganta de Loriga, nunca andou a exibir-se pelos corredores e eventos da ANALOR, apesar de muitas vezes ter passado e continuar a passar por Sacavém. E como o grande loriguense António Conde odeia hipocrisia, nunca se preocupou com o que pensam dele nem nunca viveu em função disso, e apenas se preocupa com a sua consciência, só disponibilizará a sua obra sobre a história de Loriga, quando existirem as condições minimas para ser valorizada caso contrário, e fazendo uma citação biblica, seria como dar pérolas a porcos. Não é por acaso que ele já teve a oferta de várias editoras para a publicação da sua obra e ele declinou educadamente o convite chegando a ponderar destruí-la, e só não o fez porque é uma obra rica e representa décadas de muito trabalho, sacrifício e despesa, mas essa possibilidade não está excluída. Se ele decidir destruír a sua obra isso será motivo de júbilo para a escumalha loriguense, aliás já houve quem lhe sugerisse que a queimasse na fogueira de natal em Loriga. Entretanto podem ler-se por aí e aqui alguns dados por ele disponibilizados. É sempre bom que a gente evolua, aprenda e acabe por dar razão a quem está á frente, a pessoas como António Conde, mas alguns loriguenses, começando por alguns que têm passado pela autarquia, como é o caso do Zeca Maria, ainda não atingiram o patamar do reconhecimento, valorização e defesa plena da história e do património de Loriga, e a prova disso é o facto de ainda terem vergonha do nome da sua terra e das suas origens e por isso não querem a couraça no brasão da vila. A propósito recorda-se a reação histérica do Azeiteiro, do Doutor de Albarda, do Pina Fariseu Alemão, do Tosco Amaro e os outros BURROS invejosos, quando António Conde escreveu sobre a origem do nome da vila e do gentílico que lhe está associado. Aqui del rei, dizer loricense é um insulto, é como chamar filho da puta a alguém de Loriga, o Azeiteiro e os outros BURROS foram ainda mais longe, e se é um insulto alguém dizer que Loriga deriva de Lorica e que o nome da vila é nome de couraça também consideraram insultuoso dizer que Viriato nasceu em Loriga, exijo uma certidão de nascimento, vociferou ele (algo que nunca preocupou os naturais de Viseu nem de Folgosinho, por exemplo, que ao contrário destes "loriguenses" têm orgulho da tradição que liga as suas terras a Viriato)!! Além de sentirem vergonha da possibilidade de serem conterrâneos de Viriato, o Azeiteiro também se sentiu insultado por António Conde ter escrito que Sâo Ginês/Genês, que dá o nome ao seu querido bairro, é um santo que nunca existiu, e que esse nome é uma invenção dos loriguenses para designar São Gens, este sim é um santo que existiu mesmo e a sua capela situada nesse bairro é hoje dedicada a Nossa Senhora do Carmo. Sim as pessoas evoluem e mais tarde ou mais cedo acabam por ter que dar razão a quem a tem e os BURROS, incluíndo os referidos, foram obrigados a dar razão a António Conde, e não conseguiram calá-lo nem com insultos nem com ameaças, porque este grande Loriguense nunca se cala quando tem razão, e foram obrigados a desistir da ilegal aberração heráldica que durante décadas andaram inutilmente a tentar impor, prejudicando a imagem de Loriga e a imagem dos loriguenses. Insultaram, caluniaram e ameaçaram António Conde simplesmente porque ele defende a imagem da sua terra e a imagem dos seus conterrâneos, mas este grande Loriguense não desistiu e tiveram que mandar para o lixo a ilegal aberração heráldica que tanto defendiam. A escumalha loriguense sabia e sabe que António Conde sempre teve razão em tudo o que sempre defendeu em relação á heráldica, mas para estes pseudoloriguenses os interesses e a imagem de Loriga nunca foram prioridade. Sim as pessoas evoluem, e mais tarde ou mais cedo acabam por dar razão a quem a tem, e o Zeca Maria, o pseudohistoriador Doutor de Albarda, e os outros BURROS, talvez um dia deixem de ter vergonha do nome da sua terra, nunca deixando de recordar que esta gente tem o hábito de colocar os interesses e motivaçoes pessoais e mesquinhas á frente dos interesses e da imagem de Loriga. A este propósito convém lembrar que o Zeca Maria nunca esqueceu nem perdoou as criticas sobre o rumo dado a Loriga, colocadas por António Conde em artigos que escrevia no jornal Garganta de Loriga e noutros jornais regionais e nacionais, enquanto pugnava junto das autoridades politicas e administrativas pela resolução dos problemas da sua terra, nem também a intervenção deste grande Loriguense na vergonhosa questão da heráldica, incluíndo a sua decisiva intervenção no chumbo do anedótico brasão de Vale da Cruz ( clique e veja aqui: Página dedicada à vila de Vale da Cruz, Serra da Estrela ) . Tal como em tudo o resto confirma-se que António Conde tinha e tem razão, veja-se a atual situação de Loriga, que perdeu mais de metade da população desde que este grande Loriguense saíu da sua terra, e veja-se a vergonhosa saga da heráldica também criada pelo Zeca Maria, que muito prejudicou e prejudica a imagem desta bela e histórica vila!!! 

O brasão de 2002 serve para qualquer localidade serrana habitada por cristãos, ou distinguindo Loriga como única localidade cristã entre as restantes localidades habitadas por hereges, ou ainda como se esta vila fosse uma espécie de Capital da Cristandade ou possuísse um santuário cristão de importância nacional e ou mundial. Os toscos ignorantes incompetentes quiseram retirar as rodas hidráulicas que simbolizam a antiga indústria loriguense, e por terem vergonha do nome da sua terra quiseram substituír a Loriga por uma cruz. Loriga deriva do latim Lorica e é nome de couraça, facto que envergonha os toscos ignorantes incompetentes que estrategicamente e estupidamente quiseram introduzir a religião no assunto para condicionar o pároco local e os mais fervorosos crentes da paróquia, querendo dar a entender que, tal como eles, os católicos loriguenses também têm vergonha do nome da vila. Esse brasão ridículo, que ficou conhecido por Brasão de Vale da Cruz e contribuiu para arrasar a imagem de Loriga, foi uma tosca tentativa de manipulação da fé dos loriguenses com o objetivo de facilitar a sua aprovação, uma estratégia que inevitavelmente correu mal e que é reveladora do caráter do principal responsável por esta vergonhosa questão da heráldica.

O brasão de 2018 serve para qualquer localidade portuguesa onde o milho e o centeio foram a base de alimentação e onde existe ou existiu alguma indústria, portanto serve para muitas dezenas de localidades portuguesas, incluíndo localidades situadas na Serra da Estrela. No entanto como esse brasão ridículo não tem uma estrela nem sequer aponta para uma localidade que está situada na Serra da Estrela, portanto a abrangência é muito maior. Loriga é uma estrela no coração da Serra da Estrela onde é uma das principais e mais antigas localidades, em cujo território está instalada a única estância de esqui existente em Portugal, etc, no entanto os toscos ignorantes quiseram retirar a estrela do brasão, o que confirma a sua extrema incompetência. Aliás, as principais localidades da Serra da Estrela, e muitas outras menos importantes também situadas nesta bela serra, ostentam com orgulho uma estrela nos respetivos brasões, mas os burros de Loriga quiseram tirar a estrela do brasão desta vila. Será que além de terem vergonha do nome da sua terra também passaram a ter vergonha por Loriga estar situada na Serra da Estrela ??! Tal como se viu em 2002, os toscos ignorantes incompetentes têm vergonha do nome da vila e por isso quiseram tirar a couraça do brasão e quiseram retirar as rodas hidráulicas e introduzir um carreto, demonstrando que continuam a desprezar a história desta vila, não apenas a história mais antiga mas também a história da sua centenária indústria. As primeiras fábricas de Loriga, criadas no século XIX, eram movidas por rodas hidráulicas e por isso foram colocadas duas no brasão e que simbolizam as origens da indústria textil que destacou ainda mais esta vila na região. Loriga tem uma história e uma identidade tão ricas e únicas em Portugal que existem dezenas de peças para colocar no brasão distintivo e bonito desta vila, infelizmente é impossível colocá-las todas até porque não caberiam e as regras da heráldica impôem um limite de número de peças, e aqui é fundamental a competência, o conhecimento da história, e o amor á terra dos autarcas. Esta gente, movida pelo ódio e por outras motivações mesquinhas que sempre colocaram acima da imagem e dos interesses de Loriga, como se tem confirmado em todo este vergonhoso processo, tiveram como primeira preocupação eliminar da heráldica tudo o que fosse da autoria de António Conde, mantendo apenas as cores da bandeira e mesmo essas fizeram questão de as trocar de posição, só para que a bandeira não ficasse exatamente igual á que foi desenhada por este grande Loriguense. Mas não foi apenas na heráldica que quiseram apagar tudo o que recorde a obra de António Conde, fizeram também questão de criar um novo site no qual não colocaram o resumo da história de Loriga da autoria deste grande Loriguense, publicado no site da Junta de Freguesia e que foi publicado também na Wikipedia, no site Terras de Portugal, em muitos e cada vez mais numerosos outros sites, e no site Gentes de Loriga onde sem surpresa foi trocado pelo texto que agora se vê no site do Zeca Maria. No entanto o site da Junta de Freguesia continua online e esses extratos da obra de António Conde sobre a História de Loriga continuam disponíveis para quem quiser ler. Esta atitude desta gente invejosa não é nova e estendeu-se á Wikipedia onde foi colocada a ilustração usada ilegalmente como brasão, que nunca foi brasão mas que passou a ser ali apresentada como brasão legal e oficial de Loriga, tentando impor a mentira como aliás é prática habitual desta gente. Enganando editores o artigo acabou por ser vandalizado e bloqueado, e além da introdução do pseudobrasão foram apagados das fontes todos os links que apontassem para António Conde, autor do artigo, por ele se opor a esta vergonhosa questão da heráldica que há décadas arrasa a imagem de Loriga e dos loriguenses, esses foram aliás os dois principais motivos para a vandalização e bloqueio do artigo. Aliás, até colocaram comentários insultuosos e caluniosos na Wikipédia e no site Terras de Portugal, e não é por acaso que este grande Loriguense, apesar da oferta de várias editoras, ainda não publicou a sua obra chamada História concisa da vila de Loriga - Das origens à extinção do município. Magoado, só não a destruiu porque é valiosa e porque é fruto de três décadas de pesquisa, de muito trabalho, de muito sacrifício de vida pessoal e familiar, e de muita despesa. No entanto essa hipótese não está excluída, e se António Conde se fartar de ser maltratado e decidir destruir a sua obra isso será motivo de júbilo para esta gente, aliás até já lhe disseram que a destruísse e um até sugeriu que a queimasse na fogueira de Natal em Loriga! Ao longo da sua já antiga história a vila de Loriga perdeu muito graças a este tipo de gente que coloca as suas motivações mesquinhas e interesses pessoais acima dos interesses e da imagem da sua terra, é também por isso que Loriga não está melhor, e também por isso que esta vergonhosa questão da heráldica dura há décadas, e que há décadas esta gente luta inutilmente por manter uma ilustração teimosamente usada ilegalmente como brasão, impedem há décadas a competente resolução do problema, prejudicando a imagem de Loriga e a imagem dos loriguenses e maltratando quem se opôe a essa vergonha. A mesma gente que diz defender a ilustração que nunca foi brasão mas que hipocritamente arranjou e ou apoiou os vergonhosos brasões de Vale da Cruz (2002) e do Doutor de Albarda (2018) que envergonham os loriguenses, que ridicularizam Loriga e quem nela nasceu, que não dignificam esta vila e que por isso foram condenados ao lixo. Para esta gente o brasão de Loriga até pode ter um cagalhão fumegante como peça central desde que o brasão seja da autoria de um amigo, e se for o caso até a ilegal ilustração pseudobrasão que dizem defender pode ser substituída que não há problema. Com "loriguenses" destes Loriga não precisa de inimigos, esta gente é mais do que suficiente para prejudicar Loriga, a imagem desta vila e a imagem de quem nela nasceu, como aliás tem feito há décadas, portanto não precisa de usar o populismo para "mobilizar as tropas" contra os propagandeados "inimigos" vindos de Seia, contra os "inimigos" partidos políticos por se recusarem a apoiar o Zeca Maria, ou contra quaisquer outros "inimigos", aliás qualquer tipo de populismo precisa de "inimigos" para sobreviver... A imagem da Wikipedia saiu deteriorada, tal como a imagem desta gente invejosa que provocou essa deterioração, e a credibilidade e a imagem de António Conde saíram reforçadas porque, além de esta gente ter sido desmascarada foi sempre mantido o essencial do conteúdo do artigo sobre Loriga que ele criou na Wikipédia, conteúdo que continua a ser replicado num número cada vez maior de sites.

Além de os brasões de 2002 e de 2018 não dignificarem esta bela e histórica vila, os loriguenses não gostam desses dois brasões ridículos do Zeca Maria nem se identificam com eles, e nenhuma imposição, ameaça, queixa, sentença, desinformação, mentira, ou qualquer outra estratégia mais ou menos desonesta, alterará esses factos, apenas contribui para aumentar a oposição dos loriguenses. Portanto nenhum desses brasões é ou será o brasão de Loriga, estão condenados ao lixo e os loriguenses não estão condenados a habituarem-se a um brasão que detestam, ao contrário do que dizem e escrevem os mentirosos responsáveis por esta vergonha. O que eles queriam era isso, o facto consumado mas os loriguenses estão cada vez mais informados e acreditam cada vez menos nas suas tretas. Todo o longo historial desta vergonha e do seu principal responsável, o ambiente e as circunstâncias criadas, e consequente forma como os brasões foram aprovados e a rejeição pelos loriguenses, tudo isso facilita ainda mais a futura correção pela Junta de Freguesia desta vergonhosa situação, que aliás podia facilmente ser corrigida mesmo sem esses fatores. Os brasões de 2002 e de 2018 são portanto lixo e apenas os brasões do Zeca Maria e de um pequeno e conhecido grupo que há décadas é responsável pela vergonhosa questão da heráldica que tem arrastado na lama a imagem desta bela e histórica vila, grupo que tem lutado contra a competente resolução do problema, e que inventou e ou apoiou os dois brasões ridículos que envergonham Loriga e os loriguenses. Facto caricato, e que contribui para a oposição dos loriguenses aos dois brasões ridículos do Zeca Maria, é que até a ilustração, usada ilegalmente como brasão, é mais representativa de Loriga do que os brasões do Zeca Maria. Pelo menos nessa ilustração vê-se uma estrela e uma roda hidráulica... Quando existem loriguenses que colocam motivações e interesses mesquinhos pessoais acima dos interesses e da imagem da sua terra o resultado só pode ser mau para Loriga, e infelizmente este vergonhoso caso da heráldica não é caso único na história desta vila. A esmagadora maioria dos loriguenses não gostam dos dois brasões ridículos arranjados pelo Zeca Maria em 2002 e em 2018, respetivamente, ambos condenados ao lixo, e é vergonhoso que esta gente, que finge tanta capacidade e tanto amor á sua terra, ache que um brasão com uma cruz ou um brasão com umas espigas e um carreto sirvam para esta bela e histórica vila. Como se isso não bastasse recusaram propostas e melhores soluções alternativas apenas porque vieram deste grande Loriguense que odeiam, colocando portanto as suas motivações mesquinhas pessoais acima dos interesses e da imagem de Loriga, quem ama a sua terra não age assim. O grande Loriguense António Conde também teria vergonha se como autarca, ou ostentando os títulos de doutor e de historiador, apenas tivesse capacidade para fazer um brasão para Loriga com uma cruz ou um brasão com umas espigas e um carreto, se desconhecesse a história antiga da sua terra e se tivesse vergonha do nome da mesma, e muitos outros loriguenses pensam o mesmo não sendo portanto surpreendente que o autor do brasão das espigas e do carreto tenha recebido de alguém a adequada alcunha de Doutor de Albarda. Em Loriga as alcunhas são tradicionais, existindo vários tipos de alcunhas, que vão do carinhoso ao depreciativo, sendo este o caso e uma forma de os loriguenses mostrarem a sua desaprovação. No entanto se António Conde tivesse sido o autor dos ridículos e insultuosos brasões de Vale da Cruz (2002) e do Doutor de Albarda (2018) os responsáveis por esta vergonha e os seus cúmplices cobririam de insultos e de calúnias (incluíndo na internet) este grande Loriguense, tanto ou ainda mais do que fizeram quando ele disse, e com razão, que a ilustração usada como heráldica pela Junta de Freguesia nada vale como brasão, e se opôs a essas vergonhas. E a propósito dos inúmeros insultos e das inúmeras calúnias de que este grande Loriguense foi alvo, incluindo em publicações na internet, a responsabilidade maior recai sobre aqueles que, estando mais informados, por motivos mesquinhos e interesses pessoais e politicos, fomentaram a desinformação, a mentira e o ódio contra este grande Loriguense, chegando ao ponto de António Conde ser olhado de soslaio e confrontado, inclusive pela sua própria família, na terra que o viu nascer, que ama e pela qual fez muito. Uma situação vergonhosa para Loriga e de dolorosa ingratidão para com António Conde, que entretanto já recebeu pedidos de desculpa da parte de muitos dos que foram enganados, tanto dos que tiveram atitudes menos corretas como daqueles que simplesmente formaram uma opinião negativa acerca deste grande Loriguense. No entanto, as desculpas ainda não foram pedidas pelos que há décadas prejudicam e têm prejudicado a imagem de Loriga e dos loriguenses, e que têm fomentado a desinformação, a mentira, a calúnia, os insultos, que enxovalharam este grande Loriguense na internet e que tudo fizeram e continuam a fazer para denegrirem a imagem de Loriga. E falamos dos responsáveis, entre outras coisas, pela vergonhosa questão da heráldica, e esses mantêm a mesma atitude de sempre, indiferentes aos danos provocados na imagem de Loriga, na imagem dos loriguenses e na imagem da autarquia local.

* António Conde - Loriga, Portugal PDF

* História de Loriga, extratos da obra de António Conde no site Loriga Portugal, incluíndo ficheiros PDF e links para diversos sites

História concisa de Loriga, extratos da obra de António Conde no site da Junta de Freguesia de Loriga PDF




Saiba mais sobre António Conde aqui neste documento PDF: Homenagem-a-Antonio-Conde-Gratidao-e-Reconhecimento-Da-Vila-de-Loriga-e-Dos-Loriguenses
Saiba mais sobre a vergonhosa questão da heráldica aqui neste documento PDF: Historia-Do-Brasao-Da-Vila-De-Loriga-Pequeno-Resumo-Do-Processo
Nota final: Obviamente e com toda a lógica, faz sentido que os brasões das localidades situadas na Serra da Estrela tenham uma estrela, e no caso de Loriga ainda mais porque esta vila fica no coração da serra na qual é uma estrela e a sua simbologia antiga incluía uma estrela de sete pontas de ouro. Mas como são BURROS e estão cagando para a imagem de Loriga, que muito têm prejudicado, o Zeca Maria, o Doutor de Albarda e amigos, obviamente "pensam" de forma diferente e até têm vergonha do nome da sua terra e por isso não gostam de ver a Loriga no brasão!!! Para eles o brasão de Vale da Cruz é que era bom porque têm vergonha do nome da sua terra que preferiam que se chamasse Cruz ou Vale da Cruz ( clique e veja aqui: Página dedicada à vila de Vale da Cruz, Serra da Estrela

Saiba mais sobre António Conde aqui: Homenagem-ao-historiador-Antonio-Conde-Gratidao-e-Reconhecimento-Da-Vila-de-Loriga
Saiba mais sobre a vergonhosa questão da heráldica aqui: Historia-Do-Brasao-de-Loriga

Loriga

Loriga (Portuguese pronunciation: [loˈɾiɡɐ]) is a civil parish (Portuguese: freguesia) and town in south-central part of the municipality of Seia, in central Portugal. Part of the district of Guarda, it is 20 km away from the city of Seia, 40 km away from Viseu, 80 km away from Guarda and 320 km from Lisbon, nestled in the Serra da Estrela mountain range. The area is 36.25 km², including the two localities, the town of Loriga and the village of Fontão.

History
Loriga was founded along a column between ravines where today the historic centre exists. The site was ostensibly selected more than 2600 years ago, owing to its defensibility, the abundance of potable water and pasturelands, and lowlands that provided conditions to practice both hunting and gathering/agriculture.
When the Romans arrived in the region, the settlement was concentrated into two areas. The larger, older and principal agglomeration was situated in the area of the main church and Rua de Viriato, fortified with a wall and palisade. The second group, in the Bairro de São Ginês, were some small homes constructed on the rocky promintory, which were later appropriated by the Visigoths in order to construct a chapel. The Roman road and two bridges (the second was destroyed in the 16th century after flooding in the Ribeira de São Bento) connected the outpost of Lorica to the rest of their Lusitanian province. The São Ginês' neighbouhood (São Gens), a local ex-libris, is the location of the chapel of Nossa Senhora do Carmo, an ancient Visigothic chapel.

Middle Ages
Loriga was the municipal seat since the 12th century, receiving Forals in 1136 (João Rhânia, master of the Terras de Loriga for over two decades, during the reign of Afonso Henriques), 1249 (during the reign of Afonso III), 1474 (under King Afonso V) and finally in 1514 (by King Manuel I).
Loriga was an ecclesiastical parish of the vicarage of the Royal Padroado and its Matriz Church was ordered to construct in 1233, by King Sancho II. This church, was to the invocation of Santa Maria Maior, and constructed over the ancient small Visigothic chapel (there is a lateral block with Visigoth inscriptions visible). Constructed in the Romanesque-style it consists of a three-nave building, with hints of the Old Cathedral of Coimbra. This structure was destroyed during the 1755 earthquake, and only portions of the lateral walls were preserved.

Monarchy
The 1755 earthquake resulted in significant damage to the town of Loriga, destroying homes and the parochial residence, in addition to opening-up cracks and faults in the town's larger buildings, such as the historic municipal council hall (constructed in the 13th century). An emissary of the Marquess of Pombal visited Loriga to evaluate the damage (something that did not happen in other nearby biggest parishes, like Covilhã) and provide support.
The residents of Loriga supported the Asolutionist forces of the Infante Miguel of Portugal against the Liberals, during the Portuguese Liberal Wars. It ceased to be the seat of a municipality in 1855 after the application of a territorial planning carried out during the XIX century, interestingly the same plan that gave rise to the Districts.
At the time of its municipal demise (October 1855), the municipality of Loriga included the parishes of Alvoco da Serra, Cabeça, Sazes da Beira, Teixeira, Valezim and Vide, as well as thirty other disincorporated villages.
Loriga was an industrial centre for textile manufacturing during the 19th century. It was one of the few industrialized centres of the region, even supplanting Seia until the middle of the 20th century. Only Covilhã out-performed Loriga in terms of businesses operating from its lands; companies such as Regato, Redondinha, Fonte dos Amores, Tapadas, Fândega, Leitão & Irmãos, Augusto Luís Mendes, Lamas, Nunes Brito, Moura Cabral and Lorimalhas, among others. The main roadway in Loriga, Avenida Augusto Luís Mendes, is named for one of the villages most illustrious industrialists. The wool industry started to decline during the last two decades of the 20th century, a factor that aggravated and accelerated the decline of the region.

Geography
Known locally as the "Portuguese Switzerland" due to its landscape that includes a principal settlement nestled in the mountains of the Serra da Estrela Natural Park. It is located in the south-central part of the municipality of Seia, along the southeast part of the Serra, between several ravines, but specifically the Ribeira de São Bento and Ribeira de Loriga; it is 20 kilometres from Seia, 80 kilometres from Guarda and 300 kilometres from the national capital (Lisbon). A main town is accessible by the national roadway E.N. 231, that connects directly to the region of the Serra da Estrela by way of E.N.338 (which was completed in 2006), or through the E.N.339, a 9.2 kilometre access that transits some of the main elevations (960 metres near Portela do Arão or Portela de Loriga, and 1650 metres around the Lagoa Comprida).

Economy
The region is carved by U-shaped glacial valleys, modelled by the movement of ancient glaciers. The main valley, Vale de Loriga was carved by longitudinal abrasion that also created rounded pockets, where the glacial resistance was minor. Starting at an altitude of 1991 metres along the Serra da Estrela the valley descends abruptly until 290 metres above sea level (around Vide), passing villages such as Cabeça, Casal do Rei and Muro. The central town, Loriga, is seven kilometres from Torre (the highest point), but the parish is sculpted by cliffs, alluvial plains and glacial lakes deposited during millennia of glacial erosion, and surrounded by rare ancient forest that surrounded the lateral flanks of these glaciers.
Textiles are the principal local export; Loriga was a hub the textile and wool industries during the beginning-19th century, in addition to being subsistence agriculture responsible for the cultivation of corn. The Loriguense economy is based on metallurgical industries, bread-making, commercial shops, restaurants and agricultural support services.
While that textile industry has since dissipated, the town began to attract a tourist trade due to its proximity to the Serra da Estrela and Vodafone Ski Resort (the only ski center in Portugal), which was constructed totally the parish limits.

By historian António Conde - Loriga. Excerpts from his work "Concise History of the Town of Loriga - From Origins to the extinction of the municipality ", the result of more than thirty years of research that has always been continuous, and Loriga on Wikipedia - Article created by the historian António Conde.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------

[ Pormenores do centro histórico da vila, na colina entre as ribeiras de Loriga e de São Bento, onde a povoação foi fundada há mais de 2600 anos. Esta foto ajuda a explicar a óbvia e única escolha deste local para fundar a povoação que, até á conquista romana, esteve fortificada com muros e paliçadas. Os motivos da escolha do local são óbvios até para quem tem conhecimentos rudimentares. Dada a antiguidade da povoação e da presença humana neste vale, foi, é e será normal a descoberta de vestigios arqueológicos em vários locais, até porque tal como hoje existe intervenção humana á volta da vila, o mesmo acontecia á volta da povoação no tempo dos lusitanos e dos romanos. Teorias estúpidas, tais como a do nascimento e ou passagem de Loriga por outros locais, tais como o chamado Chão do Soito (apontando para uma "Loriga provisória" e insultando os fundadores da povoação), não têm portanto qualquer cabimento e são demonstrativas da ignorância de quem as defende. - Loriga recebeu forais em 1136 (João Rânia, senhor das Terras de Lorica / Loriga), 1249 (D. Afonso III), 1474 (D. Afonso V) e 1514 (D. Manuel I). Alguma da "lógica" dos burros, pseudohistoriadores e outros pseudoloriguenses que há décadas prejudicam a imagem desta bela e histórica vila: O gentílico Loriguense é igual ao ao gentílico Loricense e ambos servem para designar os naturais da vila de Loriga, mas os BURROS acham insultuoso o gentílico Loricense e tudo o que recorde o nome da vila e as origens desse nome, e também por isso não gostam de ver a couraça no brasão. Segundo eles os fundadores de Loriga eram atrasados mentais e por isso fundaram a povoação no Chão do Soito, um local onde jamais poderia florecer com sucesso qualquer povoação, e mais tarde um deles mais inteligente que os demais terá exclamado: - Estamos a ser burros, vamos mudar-nos para ali que é melhor! Mudaram-se para a colina entre ribeiras (onde de facto a povoação foi originalmente fundada) e assim acabou a "Loriga provisória" no Chão do Soito, mas não acabou a sua entrada no mundo das anedotas. Outras povoações próximas de Loriga e também antigas, receberam forais nos primeiros dois séculos da nacionalidade, Valezim e Sandomil, por exemplo, receberam forais no século XIII, mas no imponente vale glaciar de Loriga só havia calhaus, e apenas no século XVI (1514) habitava aqui gente em número suficiente para justificar a atribuição de um foral, que os burros pseudohistoriadores acham ser o único. O santo padroeiro de qualquer localidade é sempre o orago da igreja matriz e da paróquia, no caso de Loriga é Santa Maria Maior desde o século XIII, mas os burros acham que em Loriga as devoções, os padroeiros e as invocações são apenas uma questão de modas, e que nesta vila existe o hábito de desprezar, esquecer e trocar padroeiros, devoções e invocações. Numa localidade normal os naturais têm orgulho do nome e da história da sua terra, mas Loriga é diferente e os burros desta vila têm vergonha da história e do nome da sua terra, acham vergonhoso que esta vila tenha nome de couraça e de haver uma Loriga no brasão da vila, também por isso em 2002 quiseram trocar a Loriga por uma cruz (tentando fazer crer que os católicos loriguenses também têm vergonha do nome da vila tal como eles), e em 2018 quiseram simplesmente eliminá-la do brasão. Para cúmulo os burros de Loriga não se limitam a terem vergonha da história e do nome desta vila, também passaram a ter vergonha por Loriga estar situada no coração da Serra da Estrela onde é uma estrela, e por isso em 2018 também quiseram eliminar a estrela de ouro do brasão da vila. Aliás tentaram inutilmente impor uma ilegal aberração heráldica, incrivelmente e impunemente usada formalmente pela autarquia como se fosse o brasão legal e oficial de Loriga, e maltratam quem se opôe a essa vergonha (inclusive com insultos e calúnias na internet). etc , etc. ]

Loriga recebeu forais em 1136 (João Rânia, senhor das Terras de Lorica / Loriga), 1249 (D. Afonso III), 1474 (D. Afonso V) e 1514 (D. Manuel I), este último foral corresponde ás comemorações mostradas nestes últimos dois vídeos. Alguma da "lógica" dos burros, pseudohistoriadores e outros pseudoloriguenses que há décadas prejudicam a imagem desta bela e histórica vila: O gentílico Loriguense é igual ao ao gentílico Loricense e ambos servem para designar os naturais da vila de Loriga, mas os BURROS acham insultuoso o gentílico Loricense e tudo o que recorde o nome da vila e as origens desse nome, e também por isso não gostam de ver a couraça no brasão. Segundo eles os fundadores de Loriga eram atrasados mentais e por isso fundaram a povoação no Chão do Soito, um local onde jamais poderia florecer com sucesso qualquer povoação, e mais tarde um deles mais inteligente que os demais terá exclamado: - Estamos a ser burros, vamos mudar-nos para ali que é melhor! Mudaram-se para a colina entre ribeiras (onde de facto a povoação foi originalmente fundada) e assim acabou a "Loriga provisória" no Chão do Soito, mas não acabou a sua entrada no mundo das anedotas. Outras povoações próximas de Loriga e também antigas, receberam forais nos primeiros dois séculos da nacionalidade, Valezim e Sandomil, por exemplo, receberam forais no século XIII, mas no imponente vale glaciar de Loriga só havia calhaus, e apenas no século XVI (1514) habitava aqui gente em número suficiente para justificar a atribuição de um foral, que os burros pseudohistoriadores acham ser o único. O santo padroeiro de qualquer localidade é sempre o orago da igreja matriz e da paróquia, no caso de Loriga é Santa Maria Maior desde o século XIII, mas os burros acham que em Loriga as devoções, os padroeiros e as invocações são apenas uma questão de modas, e que nesta vila existe o hábito de desprezar, esquecer e trocar padroeiros, devoções e invocações. Numa localidade normal os naturais têm orgulho do nome e da história da sua terra, mas Loriga é diferente e os burros desta vila têm vergonha da história e do nome da sua terra, acham vergonhoso que esta vila tenha nome de couraça e de haver uma Loriga no brasão da vila, também por isso em 2002 quiseram trocar a Loriga por uma cruz (tentando fazer crer que os católicos loriguenses também têm vergonha do nome da vila tal como eles), e em 2018 quiseram simplesmente eliminá-la do brasão. Para cúmulo os burros de Loriga não se limitam a terem vergonha da história e do nome desta vila, também passaram a ter vergonha por Loriga estar situada no coração da Serra da Estrela onde é uma estrela, e por isso em 2018 também quiseram eliminar a estrela de ouro do brasão da vila. ">Aliás tentaram inutilmente impor uma ilegal aberração heráldica, incrivelmente e impunemente usada formalmente pela autarquia como se fosse o brasão legal e oficial de Loriga, e maltratam quem se opôe a essa vergonha (inclusive com insultos e calúnias na internet). etc , etc.

Hastear das bandeiras na Praia Fluvial de Loriga em 2019, incluíndo a bandeira com o brasão do Zeca Maria e do Doutor de Albarda (Quem lhe pôs a merecida alcunha que lha tire, e qualquer loriguense com uma inteligência aceitável teria vergonha se tivesse um "canudo" e tivesse feito aquela vergonha!! É só sabedoria fingida, deve ter andado a passear os livros, e está visto que sabe pouco ou nada sobre a história de Loriga...). Os brasões de Vale da Cruz (2002) e do Doutor de Albarda (2018) são lixo porque envergonham Loriga e os Loriguenses!! Foi fantástico apreciar pessoalmente o "exuberante" desconforto exibido pelo Zeca Maria (Como aliás se vê neste video!) com a reação negativa da esmagadora maioria dos loriguenses presentes perante o vergonhoso brasão que ele e o Doutor da Albarda arranjaram!! Reação negativa dos loriguenses que aliás também se notou de manhã junto da sede da Junta de Freguesia de Loriga. Aliás, o desconforto com a reação dos loriguenses também se notou no Doutor de Albarda, ouviram-se muitos comentários e o mais simpático foi: Falta ali qualquer coisa!!!!! Mais uma vez graças ao Zeca Maria, temos mais uma vergonha com esta vergonhosa história da heráldica que ele criou e teima em manter, mais dinheiro desperdiçado pela Junta, e os futuros autarcas lá terão que mexer no assunto porque, além de não serem dignos de Loriga, os loriguenses não se identificam com nenhum dos dois brasões do Zeca Maria! Ao contrário do que dizem e escrevem os mentirosos responsáveis por esta vergonha, os loriguenses não são obrigados a habituarem-se a um brasão que detestam, com o qual não se identificam, e que não honra a sua terra, portanto não é nem será o brasão de Loriga, e a alteração pode ser feita e vai ser feita pela Junta!!!! No entanto é triste constatar que poucos loriguenses têm a coragem de contestar abertamente e de dizerem diretamente o que pensam e têm medo do Zeca Maria e dos seus capangas e lacaios os quais têm maltratado, incluíndo com insultos e calúnias na internet, quem se opôe aos vergonhosos brasões de Vale da Cruz e do Doutor de Albarda, como é o caso do Loriguense e historiador António Conde!!! Para o Zeca Maria e os seus capangas e lacaios, Loriga é ele, a Assembleia de Freguesia é ele, a Junta de Freguesia é ele, e quem não concorda com o Zeca Maria é inimigo de Loriga, é odiado pelos loriguenses, não é bem-vindo na vila, e existe um controle cerrado através de manobras de intimidação e de condicionamento fáceis de realizar no meio pequeno e deprimido de Loriga.

O gentílico Loriguense é igual ao ao gentílico Loricense e ambos servem para designar os naturais da vila de Loriga, mas os BURROS acham insultuoso o gentílico Loricense e tudo o que recorde o nome da vila e as origens desse nome, e também por isso não gostam de ver a couraça no brasão. Segundo eles os fundadores de Loriga eram atrasados mentais e por isso fundaram a povoação no Chão do Soito, um local onde jamais poderia florecer com sucesso qualquer povoação, e mais tarde um deles mais inteligente que os demais terá exclamado: - Estamos a ser burros, vamos mudar-nos para ali que é melhor! Mudaram-se para a colina entre ribeiras (onde de facto a povoação foi originalmente fundada) e assim acabou a "Loriga provisória" no Chão do Soito, mas não acabou a sua entrada no mundo das anedotas. Outras povoações próximas de Loriga e também antigas, receberam forais nos primeiros dois séculos da nacionalidade, Valezim e Sandomil, por exemplo, receberam forais no século XIII, mas no imponente vale glaciar de Loriga só havia calhaus, e apenas no século XVI (1514) habitava aqui gente em número suficiente para justificar a atribuição de um foral, que os burros pseudohistoriadores acham ser o único. O santo padroeiro de qualquer localidade é sempre o orago da igreja matriz e da paróquia, no caso de Loriga é Santa Maria Maior desde o século XIII, mas os burros acham que em Loriga as devoções, os padroeiros e as invocações são apenas uma questão de modas, e que nesta vila existe o hábito de desprezar, esquecer e trocar padroeiros, devoções e invocações. Numa localidade normal os naturais têm orgulho do nome e da história da sua terra, mas Loriga é diferente e os burros desta vila têm vergonha da história e do nome da sua terra, acham vergonhoso que esta vila tenha nome de couraça e de haver uma Loriga no brasão da vila, também por isso em 2002 quiseram trocar a Loriga por uma cruz (tentando fazer crer que os católicos loriguenses também têm vergonha do nome da vila tal como eles), e em 2018 quiseram simplesmente eliminá-la do brasão. Para cúmulo os burros de Loriga não se limitam a terem vergonha da história e do nome desta vila, também passaram a ter vergonha por Loriga estar situada no coração da Serra da Estrela onde é uma estrela, e por isso em 2018 também quiseram eliminar a estrela de ouro do brasão da vila. ">Aliás tentaram inutilmente impor uma ilegal aberração heráldica, incrivelmente e impunemente usada formalmente pela autarquia como se fosse o brasão legal e oficial de Loriga, e maltratam quem se opôe a essa vergonha (inclusive com insultos e calúnias na internet). etc , etc.

Esperamos pela sua visita ! We wait for your visit !

Coordinates: 40°19′13.69″N 7°39′58.15″W / 40.3204694°N 7.6661528°W /

40.3204694; -7.6661528